segunda-feira, dezembro 28, 2009

de vez em instante

neste momento essa ordem não queremos nem podemos: não mediaremos o que ocorre ou não ocorre entre nós por nenhuma forma de arte, política, religião, economia: seremos nus como as pedras e os anjos.

segunda-feira, dezembro 21, 2009

penso no silêncio da oração, no branco de página de um poema; o teu rosto

segunda-feira, dezembro 14, 2009

sê vida em nós assim sejas e sejamos

sê vida
vivos sejamos
no tempo em aniquilação vivos sejamos

nessa ausência que é regresso
sê vida em nós

oh deus no abismo fala e salva
retém e respira

dá-nos a vida somente nada mais agora e sempre
nosso deus sê
agora oh

e na hora da nossa
ah
sê e de nós não te olvides
nem no outono da nossa

ah nem na folha que cai o sopro finde
a presença sê e retém
oh deus
a presença seja e sejas e também e nada
oh deus
sobretudo nada sejas vida em nós sejas
na hora da nossa
sempre sejas

vazio vivo que transborda
fundo e margem imensos
de tudo o que há e não há

vida que fala dentro de tudo e para lá
chiu

não te olvides no silêncio escutemos
no silêncio vivo e vazio sejamos
nada mais na pura passagem
em pura presença
agora e nunca
oh nosso deus agora e nunca
dá-nos somente
agora
e
oh nosso deus
em ti ficar queremos

em esquecimento vivo queremos
respirar queremos
nada queremos nada mais agora e nunca
e na hora ah

nada queremos que de nós não te olvides escuta
deus depois de deus e antes de tudo essa pureza viva escuta
que tudo de ti escutemos agora e na hora
que tudo em ti escutemos nada
infinito ínfimo que tudo contém e para lá
onde tudo se poisa no silêncio maior
no silêncio de tudo a palavra viva

diz oh deus e tudo em ti seja
aqui tens aí
dá-nos agora na hora
dá-nos e

amen

segunda-feira, dezembro 07, 2009

mergulhou.