segunda-feira, maio 28, 2007

Cristal

em memória de Emil Cioran


Porventura tenho muito pouca crença, seja no que for, tudo me parece estar a mais, para lá das palavras “deus”, “morte”, “tu”. Não que não veja sentido nas ciências e saberes, todos os nossos discursos e disposições, as nossas análises e intuições, lirismos e afirmações de sentido. Mas no fim de certas tardes, realmente, tudo me parece tão circunstancial. Excepto, talvez, os silêncios depois de certos trechos de Bach, ou a praia do norte em certos dias de inverno. E o teu rosto à luz da manhã, qualquer manhã.

Há palavras, decerto, palavras mais, mas quais, as que espelham e revelam, inventam e desvelam. Quais. Quais não trazem na boca o sarcasmo da desconfiança, do medo e da suspeita. Pois que são essas também, as do apelo.

9 Comments:

Anonymous blues said...

sem mein kampfs pouco resta, não sei se é disso que estás a falar. Mas (risos) que imenso conforto transpiras nesse teu deus, nossas mortes e no universal acolhimento duma boca antes da resposta. bah. numa emissão retrospectiva, o locutor afirma que a arte é o corpo do espírito e a guerra um ferro enfiado nas tripas. e esta, hein?

2:43 da tarde  
Blogger MC said...

belas palavras para traduzir a vida...


beijos, mano

3:00 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Oh blues, se te referes ao adolfo, teria infindas linhas em que cozer a minha crença, não sequer antes de a dar ao adolfo, mas que desde logo impedem e dissolvem tal crença nem que seja infimimíssimamente, a tal ponto que até a minha débil crença ou até descrença nelas recusa adolfos e adolfitos… se te referes a combates de mim e em mim, claro, tem sempre a ver… ah sim, há aquela de acusarem o ilustre blasfemo céptico raivoso ironista Cioran de fascismo (por causa de textos seus de juventude romena, e também pela seu total anti-utopismo, o que a bem ver deveria até fazer crer o contrário…) mas isso… também colocam o Houellebecq (risos) na direita… são superficialidades da telenovela mundana… esse conforto da fé, ‘tá certo… conforto que desloca do próprio conforto… comunhão, comunhão, comunhão… la guerre est un métier très dangereux, comme la poésie… Cendrars dum raio… este domingo tive um encontro religioso… pentecostes… foi tão comungal e epifânico… voltariámos à fé e ao conforto, sim… sim, sim, sim… a emissão retrospectiva e prospectiva que faz fulgurar o agora… comunhão orante… e talvez devesse ver mais televisão, se há locutores como o que citas… ;) bjocas blues

6:06 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

E que a vida nos traduza e nos traduzamos nela.

Bjocas vivas, mana

6:06 da tarde  
Anonymous blues said...

yeap, não era o adolfo, eram as ucorpias. bêjocas

6:34 da tarde  
Blogger Klatuu o embuçado said...

A predisposição - em tudo emocional - das tuas crenças seria, no mínimo, insólita, não fosses cristão... Eu perdoo-te. :)

Abraço.

9:30 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Ah, as ucórpias, dez mil vezes sim. Porque o sem lugar das utopias, quando estas se instituem em verdade exclusiva, dá cabo dos corpos. E estes, são a verdade situada e vivida dos eus. Ou se preferirmos: dá cabo do real. O que não significa, claro, que as utopias não constituam expressões do humano, e orientações deste. Mas é preciso cuidado em não tomá-las como "mais real que a vida", ou "sentido supremo", e coisas do género. Bjocucórpias, blues

1:49 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Huuuum… pois, Klatuu… e tenho em crer ;) que a especificidade cristã está no “tu”.

Abraçólito

PS: A crença débil é dinâmica da fé forte.

PS 2: O perdão é dinâmica da reconciliação consigo próprio (a primeira, em que se fundam todos os combates e comunhões).

PS 3: Emoção, claro, fónix. Mas não só ;)

1:50 da tarde  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

2:03 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home