segunda-feira, janeiro 29, 2007

Branco 2

Ele, que endureceu o coração do faraó, e lhe matou o filho - condena-lo-á?

7 Comments:

Blogger Andante said...

Claro que não!
Ele é Perdão e Disponibilidade constantes.
Ele é Amor e, pelo castigo, obrigou o faraó a sentir os rectos caminhos da Verdade.
Pobre Ramsés II que queria ser igual a Deus, mas não passava de um deusinho com pés de barro.

Beijos peregrinos

11:12 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

Olá, Andante.

Perturbador.

Não sei se a morte dum filho pode ser entendida como pedagogia ético-religiosa… talvez. É a partir da brutalidade da existência (uma tia minha dizia que tinha perdido a fé num deus misericordioso e bom quando um seu irmão morreu aos dezoito anos com tuberculose) que a interpelação máxima ao sentido da vida se nos arrepanha do estômago aos neurónios (isto é, entre a negação e o clamor “à Job”, é o dilema perante a injustiça flagrante da vida – que tinha o filho do faraó que ver com a pretensão deste à divindade, para nos ficarmos no exemplo bíblico?).

Beijos caminheiros ;)

11:32 da manhã  
Anonymous js said...

Ele, que não poupou o seu próprio Filho, mas entregou-o à morte, poderá ser perdoado?

3:21 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Alô, JS.

O que é curioso no cristianismo é a simultânea superação e negação da morte, tornando esta um mal superado que urge continuar a não aceitar. Ao mesmo tempo que se erradica a morte da filiação directa de Deus – sendo inerente ao pecado, ao desvio da fonte de vida – torna-se Deus senhor dela, visto que o é da vida.

Quanto a mim, isto dá pano para mangas históricas e filosóficas.

Lembro-me da butade de Jorge Luís Borges acerca da crucificação ser um suicídio de Deus ;)

Seja como for, a entrega à morte de Jesus anula que no cristianismo a vida biológica possa ser considerada o valor supremo e o critério máximo de orientação (“Não temais quem vos pode matar etc”). Este aliás, parece ser o espontâneo critério que a mamã natureza nos proviu (prazer/desprazer e sobrevivência de si e da espécie), anterior, por assim dizer, à interrogação religiosa, ou até filosófica – o que não implica que esta os negue, embora haja uma alargada tradição multireligiosa e filosófica nesse sentido (Sócrates: a filosofia é aprender a bem morrer; Wittgenstein: Saber morrer corresponde a uma noção e forma de vida adequada a si, justa; e escuso de dar exemplos religiosos ;)

Não há maior prova de amor do que morrer pelos que se ama etc etc etc

Não se trata portanto de afirmar que ela é um bem, ou que o seu sentido reside em si-própria, mas que é aferida enquanto meio de, resultado de, etc

Ressuscitar implica morrer, como é evidente, tal como Cristo.

Morre-se para renascer; morre-se para a vida infinda; morre-se por outrém, pela dignidade, por uma afirmação; morre-se naturalmente, acidentalmente; morre-se por tédio, por desespero, dor, tristeza. Morre-se.

Como se morre. Como nos relacionamos com a morte. Como a simbolizamos (isto é, a unimos conscientemente à vida).

Mas a morte natural das crianças continua a ser um berbicacho para uma (im)possível teodiceia.

O que é curioso também, para aferição da espontaneidade natural, é que os animais parecem tender a morrer tranquilamente.


Abraço.

PS: Adquiri o “Feu sacré” do Debray, saiu em bolso na Gallimard ;) Mas ainda apenas o folheei…

PS 2, relativo ao teu comentário: Obsessão minha: paralelo Job/Cristo.

5:21 da tarde  
Blogger Goldmundo said...

Ora, um oásis no deserto que vai daqui ao dia 11.

Abraço em Cristo.

8:25 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Strong christian blood, maister ;)

1:02 da tarde  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

1:59 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home