terça-feira, janeiro 02, 2007

Barro de burro

No entanto, manter a expectativa aberta ao impossível, abrangendo este – será algo que consigamos.

Nem pensar, precisamente. Quem sabe, escutando. Os frémitos das asas dos anjos, a brisa de Deus fora do sono e do sonho.

Quem sabe.

Ninguém precisamente. A flor se fosse pássaro, ou o espanto desejo. Quem sabe.

Depois do dia e da noite, raia a aurora que rasga os céus.

Aí mesmo, mesmo à frente, e atrás, e de todos os lados e por dentro e por fora.

Aí mesmo.

A voz que ao escutar-te, te diz. O teu nome, é sempre pelo nome mais próprio do que aquele em que te pensas ter – que o desejo de Deus em ti ocorre. Nada mais é, aliás, que o próprio Deus desejando-te por dentro e por fora, desde há eternidades antes do existir, antes da noite e do dia e das velozes constelações, durante o sangue e a dor do primeiro parto, do único surgimento de todas as coisas.

Trauma primeiro, coisa que não podes olhar e te precede e te é profundamente no limite de ti, na doação de ti a ti e ao resto, às coisas e às forças e ao outro e à morte toda. Deus é o que esquecemos com mais veemência e continuidade. Violência amorosa de tudo, que nenhuma vida criada contempla sem morrer. Pura presença para lá de todo o nada.

Disto só a oração sabe, o lugar onde até os anjos fecham os olhos.

Mesmo aí um pouco á frente de ti, estrita e imediatamente aí.

A morte é uma laranja que se descasca. A morte é o estar aqui, a casa onde todas as pequenas vidas se sustentam no silêncio de si, a vida somente nada mais antes de toda a palavra, o primeiro frémito e nada mais. Onde tudo é belo e bom simplesmente porque é, antes de todos os actos e momentos. Antes dos animais falarem e dos humanos se assustarem.

Onde todas as respirações estão suspensas, as respirações de todos os hojes e amanhãs desde sempre.

A morte é o útero da vida plena, imediatamente agora e nunca. Mas quem o poderá dizer? Sabe a criança isso. Como podemos nós saber isso, porquê que o dizemos, como o dizemos, porque raio inventámos Deus e o chamamos?

Onde Deus se inventa em nós.

A resposta, soa no fim de cada qual. Mas não se diz, não se diz o que está antes da palavra, o nome antes do nome dito. Aí, onde somos, não nos podemos dizer uns aos outros, apenas darmo-nos no silêncio maior da doação. O amor é o silêncio de todas as palavras, um simples olhar mutuamente acompanhado, um sorriso e uma lágrima e a boca que se entreabre sem ser para falar.

5 Comments:

Blogger Lord of Erewhon said...

Vai aqui: http://blogildofotossoltas.blogspot.com/2007/01/somos-todos-cristos-cristo-e-seguir.html
vale a pena!

Abraço.

5:38 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Bem, já lá fui e... imprimi, para juntar ao teu do Kemetismo que ainda só li na diagonal.

Bom fim de semana

7:13 da tarde  
Blogger Chama Violeta said...

...e que o vento possa levar-lhe uma voz que lhe diz que há um Amigo ou Amiga em algum lugar do Mundo
desejando que você esteja bem!!!
Para ti amigo que conheço e para ti amigo que não sei quem és,um Feliz e Mágico 2007!!!

6:26 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Olá, Violeta, e que o vento na chama te chame ;)

Desejos de bom ano, deste conhecido ou desconhecido ;)

9:14 da manhã  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

2:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home