segunda-feira, novembro 06, 2006

Esta manhã

Trago o sumo de laranja, acendo um cigarro, abro a janela. Não chove, dormi bem, mas sem sonhos de que me lembre. Uma amiga minha, cuja vida está suficientemente desarranjada para repensar algo de si e do resto, dorme na sala numa aparente tranquilidade fortalecedora. Acabo o cigarro. Faço outro sumo de laranja que deixo à cabeceira da minha amiga. Vou ao quarto deixar um beijo à minha esposa. Lembro-me doutro amigo de há muito, irmão de água como se costumava dizer em certos lugares e ambientes, cuja vida e corpo e coração estão de pantanas. Não me esquecer de lhe telefonar logo à tarde. Saio. As ruas estão desertas. De pessoas, quero eu dizer. O papagaio da vizinha olha-me num raro silêncio sem assobiar nem proferir o seu cómico Olhó gelado Olá… E vejo o gato preto que mora na chaminé abandonada, guardião da rua e dos seus segredos, escondido atrás dumas plantas. Olhamo-nos um bocado olhos nos olhos, como num assentimento de algo indefinido mas reconhecido por ambos. Entro no café, contrastadamente cheio de pessoas e ruídos e a televisão já acesa a bombar delírios de tédio e medo disfarçados de alegria. Volto a pensar numa senhora que tem nestes últimos dias invadido a minha mente e o meu coração, uma senhora que me cala e que não conheço pessoalmente, uma senhora que recusa o sangue injusto do mundo, das bárbaras touradas aos governos das cidades desgovernadas, e que desconfia do lado florido do fado. Uma senhora por quem neste momento oro, dum modo que só Deus sabe e eu muito menos. Não me esquecer de acender por ela uma vela a Maria, gesto que talvez essa senhora não aprecie. Acabo o café, o outro cigarro, dirijo-me para a paragem do autocarro. A cidade agita-se, somos centenas em movimento, uns mais acordados do que outros. Somos centenas, sim, milhares e milhões, agitando-nos. Não tenho a certeza se alguns de nós sabem o que andamos aqui a fazer.

47 Comments:

Anonymous P. Rapoula said...

E não é assim o quotidiano de todos nós?
Belíssimo texto!

6:31 da tarde  
Blogger aquilária said...

começar a minha manhã a ler-te foi como dar a mim própria um presente especial.

por cá andamos, tão permeáveis à dor e alegria dos outros, tão fechados, quantas e quantas vezes, na nossa própria angústia. quantas e quantas vezes somos apenas e imperceptivelmente isso: parto das nossas próprias dores.
e de nós, que havemos de fazer?

um abraço, meu querido amigo

9:54 da manhã  
Anonymous malu said...

Gostei muito do teu texto, cheio de contrastes, vitaminas, seres e gentes. Tranquilidades aparentes e ruídos. Gatos e segredos; olhares, ruas desertas, cafés, televisão, fado, um papagaio, tédio e delírios. Cigarros, velas e oração - vidas.
Em cada coisa, a tua sensibilidade e percepção. Um texto alegre e triste, sombreado e colorido pelos teus cuidados..

Bjocas

7:35 da tarde  
Blogger Manuel said...

A tua prosa está mais escorreita e fresca!
Bom texto. Gostei da imagem da amiga cuja "vida está suficientemente desarranjada para repensar algo de si e do resto". Um desarranjo é sempre o princípio de alguma coisa.
Abraço

10:25 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Caro/a P. Rapou.

Sim, o quotidiano… Não deixa de ser estranho colaborarmos na construção de um mundo que não temos a certeza se gostamos, queremos, nos acolhe, nos e se revela… Há uns de nós que até dizem que querem… “melhorá-lo” :P E tudo isto com que sentido, marionetas do ser que nos obriga sem que nos apercebamos?... A espécie, a História, a cultura. O tempo, o corpo. Sempre o desastre como resultado?... Diz o catraio súbito, antes do preconceito contra a veemente ingenuidade: Tem de haver mais qualquer coisa… E está certo, o pequeno. Pára um pouco, pára um pouco, diz ele. Deus está perto. Mas isso… é outra estória ;)

Um abraço.

1:04 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Querida insular.

Bem, como diz a tia Alzira, não há alegria sem dor ;) Não há verdade sem medo, também. A armadura que nos possa proteger das nossas dores será sempre uma prisão dos afectos e da inteligência.

Façamos de nós, amor. E não nos assustemos com o facto de continuamente o temermos e conter. É mesmo assim, e também faz parte da sobrevivência. Doseamos a verdade com ilusões, do mesmo modo que se mete água na fervura.

C’ est la vie, ma chère.

Digo isto não como manifesto geral, estou a falar contigo, hem? ;);)

Beijos, do tamanho da tua adorável permeabilidade.

1:05 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Muito obrigado, querida Malu, a tua enumeração é deliciosa… A vida é repleta de tanta coisa, de que tantas vezes nos distraímos como se nada fossem. Para os olhos despertos tudo é prenhe de significado, da pequena gota que cai do guarda-chuva que em casa poisamos até ao riso da criança com quem brincamos… Beijos sombreados e coloridos para ti.

1:05 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Huuuuuum, Manolo… pois, não sei. Talvez o mais difícil seja escrevinhar sem bazófia nem defesas literárias. É importante o que dizes.

E também importante essa do desarranjo. Sem desesperos não se anseiam esperanças. Sem consciência da sua confusão, quem poderia procurar a sua autenticidade ?...

Abraço.

PS : Ouve lá, o que é que andaste a fazer ?... Voltei a ficar com o profile em inglês… E que me gusta tanto lo espanolito, coño… ;) ;)

1:06 da tarde  
Blogger Andante said...

A cidade e o desnorte!
A cidade e o deserto!
A vida sem sentido e sem amor!
Tantas coisas que podemos ver, ouvir e sentir no meio do bulício da cidade.

Cidade cheia de ilhas de contrastes onde quase ninguém pensa em ninguém, apenas em si e no seu umbigo!

No meio do teu texto encontrei amor, solidariedade e muita sensibilidade.

Apeteceu-me começar a pensar noutra cidade. A das pessoas que têm que deixar de ser anónimas e passar a fazer parte do quotidiano de todos.
E para isso lá está a oração...

Beijos peregrinos

1:48 da tarde  
Blogger Lord of Erewhon said...

A maioria é piolheira presunçosa!

P.S. Tu és um finório, Vitor... o Roussado era outro! ;)

Abraço!

5:24 da tarde  
Blogger Manuel said...

Juro que näo fiz nada!!!

5:54 da tarde  
Blogger Débora Youths said...

Meu Caro Querido e Muito Amigo Victor,

Victor porque eu Debora,
Agradeco, este teclado nao tem cedilhas, nem assentos os nossos e assins, por tambem me teres lemrado. Vou assim assim, como na carta acho. Como na carta nao fugindo, e `e bom certa maneira, o classico sempre ajuda - pois se nao uma nem duas maneiras, desculpem-me repetir palavras, mas maneira rima com muitas variantes assim como tanto me lembra o depois do rafael, e no p`os h`a tambem e nas pessoas o pre`, isto sem assentos `e uma miseria. Nao fugindo, ou sabendo a quem me dirigia.

Percebeste alguma coisa?, ou vai muito confuso?

Estou prestes a desistir. Vim parar a uma Alcobaca Polaca. E em Berlim, e` muito bom mas depois da escola ou com escola. Estava a pensar vender la` castanhas. O meu pai nao gosta muito da ideia. E a pensar morreu um burro.

Tenho-me lembrado destas frases que a minha professora da primaria, Sra. - ou Dona??? - Fa`tima dizia. Ou professora? Professora parece melhor. Dona parece muito mal. E outra era assim: Se vos mandarem atirarem-se para um po - ai a cedilha - para um poco, voces atiram-se?

Tens l'a uma fotografia daqui. Um predio Bunker e `a instrucao culturista. Que ca se calhar enganaram-se. Ou `e body art? Uma arte vida, frenetica, rija!, por assim dizer.

Eu ca` me fresca. Mas na internet, nao me cabe tanto real. E na minha intimidade mais `a pele, assim na rua todo de preto mui camuflado pensei ate`: Ponho baton ate` no herpes.

Isto nao ia a Dona Fatima advinhar!
Mas aquele rapazinho, la nas escravinhas nao sei como se chamam, gostava eu de encontrar. Nao `e com peneira - olhem, uma que rima.

Pronto, nem vou ler vai assim.

Cumprimentos, `o, muitos beijinhos, muitos muitos `a sua esposa. Saudades dos dois. E fado florido parece-me um desvio. Porque nao deve haver bem fado se quer. l`a como os catolicos quando em apuros ha` uns tempos duplicaram a Nossa Senhora, fado: Karaoke de Fado!!!! Depois fazemos essa brejeirice (moderna).

Um abraco mui grande.

12:39 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

Olá, Andante.

Pois, mas isto é a terra e a nossa limitada existência: quantas pessoas cada um aguenta na não-anonimidade?... Não se pode ter relação pessoal com centenas, milhares, milhões :P Dizia um amigo meu há uns tempos: Quem tem muitos amigos, é porque não tem nenhum ;)

Mas claro, na oração, sim; mas só Deus sabe, nós não, nós não… Quero dizer que a comunhão indirecta não é vivida por nós na clareza e luminosidade dos anjos, et pour cause… ;) Enfim, comme toujours, pelo menos é o que se passa avec moi… E porque raio me deu para incrustar francês?... Eh eh eh… La vie est ailleurs…

Beijos, ó pensadora da cidade de Deus… ;);)

11:14 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

Huuuuuum, bispo… Pois… Mas o problema é a massificação psicológica, a grupalidade alienada… Na particularidade, se assumida por cada qual, penso que um infinito poético se mostra… Não há pessoas sem alma, mas há desalmados, digamos assim… Porque a substituíram por uma representação identitária que os sufoca e reprime… A minha crença (sim, porque é disso que se trata) é a de que lá no fundo há-de estar sempre a brasa dum fogo pessoal… A ideia de libertação ainda é para mim de rigor… Claro que o problema é que não se libertam interiormente grupos nem representações mas sim pessoas, particulares vividos… Isto é um tema complicado… Muita História, filosofia… E é verdade que vendo as contemporâneas representações colectivas que para aí se alardeiam… o mínimo que se pode dizer é que a paisagem anda numa de aprisionamento e estupidificação e desresponsabilidade (isto é, responde-se à vida com a voz que não se escolhe nem delibera interiormente)… Enfim, uma libação ao Pynn, e outra ao senhor Varatojo ;) Abraço

11:15 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

Bem, Manolo, então devem ser os deuses do blog-Olimpo impondo o hodierno latim ;) Bom dia, espanolito

11:15 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

Deborah querida porque eu Vítor… Mas que bueno, sabes, é à Colombo… Parte-se com um destino e encontra-se outro, ou que o destino pensado não é o mesmo que o destino vivido e real… Bueno, bueno… ;) Eu vejo-te a vender castanhas em Berlim (by the wall, it was very nice, candle lights and dubonnet on ice, enfim, repare-se, há incautos que pensam que já não há muro, coitados… :P) Mas pronto, eu cá acho que, burro ou não, pensar não é uma assim tão má morte… Bjocas, querida e querido, e cuida-te, que o karaoke cá te espera ;);)

11:16 da manhã  
Blogger Klatuu o embuçado said...

Ai... ai... tenho de ver se o «Jisus» ainda me quer... para ver se também tenho direito ao meu suminho de laranja matinal!

P. S. Qualquer dia levo-te para o Gerês, para o Melgaço ou para Miranda... e depois não há suminho pra ninguém! :)=

Passa por cá que isto tá a ficar uma conversa do «santo pénis»... a precisar de condução sacerdotal!

Abraço.

10:00 da tarde  
Blogger Klatuu o embuçado said...

Vocês cristãos são uns «alegres» do caraças, que até cantam a caminho da fogueira e da cruz!

(Eu, por outro lado, aos desalmados... decepava-lhes a cabeça!
Não lhes faz falta... sem alma!)

P. S. Se esta merda der a volta e o trambolhão para o lado errado... reza por mim... que eu rezo por ti... ;)
(Não sei se estou a brincar... ultimamente só tenho tido visões estranhas... e as noites por aqui andam estranhas também... e têm-me acontecido coisas singulares... a terra chora... os bichos andam inquietos, sei lá!
Fica bem , Vitor.)

10:05 da tarde  
Blogger Débora Youths said...

Meu Querido V,

Entao, e' verdade que perdemos a Anjinha Gospel, essa querida, essa menina doce e luminosa?

Com que referencias ficaste? Tenta procura-la! Eu nao me lembro de nada. Ha... Gifs animados. Vou continuar a tentar descobrila.

Um beijinho.

10:50 da tarde  
Blogger Lord of Erewhon said...

Deixa os livros e os sumos, cristão... esta noite trago-te muita Palavra para leres...

Abraço... e que Deus não Se esqueça de nós.

12:27 da manhã  
Blogger Discípulos said...

Visita a Senhora do Sorriso e Partilha com Ela todas as Graças que nos concede em "Só Deus Basta"

Um abraço em Cristo

11:10 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

Fónix, embuçado, bebe lá o suminho de laranja… ;) Já ouviste falar de Caim e Abel?... :P Aí se constitui todo o contrato social… Sair disso… pois, não sei… Quanto a isso e para o meu combate (esta vai irritar-te) pontuais manifestações como o discurso de Sócrates no seu julgamento segundo Platão, a lendária morte de Pitágoras, a ironia de Diógenes o cão, o sacrifício de Cristo (como sabes, para mim, este é especial de corrida ;) o pacifismo de Gandhi ou Luther King (fuja-se da armadilha de Malcolm X :P etc etc etc fizeram e fazem mais do que todas as guerras justas e injustas da humanidade… Não sei se a leitura de livros de História me quinou de vez o utopismo, mas quanto a mim esta merda está sempre a dar o trambolhão para o lado errado (isto é, contra a justiça e a liberdade)… Isto não significa que não se deva pegar no cacete quando nos arrombam a porta de casa… mas que outro horizonte se esboça para lá do tempo e da História… No que desta tens razão, no entanto… O lamento da terra, a inquietação dos bichos e o terror no coração dos humanos está nitidamente a elevar-se… Mas que a serenidade te seja guia no teu combate, ó machadado… E claro, rezo por ti… e se me chateias muito acendo a Maria uma vela por ti… JAJAJAJA ;);) Cuida-te, não vivemos só da amaldiçoada espécie, e o amor é possível até em campos de concentração (esta é terrível, eu sei…) È preciso ter cuidado com o coronel Kurtz, penso eu… E com aqueles que adoram o cheiro a napalm pela manhã… Conheço um que se passeava em Angola com orelhas de turra num colar… E o jogo de futebol: adversários enterrados com a cabeça de fora, estás a ver o filme (a realidade)?... Bem, esta net-conversa daqui a bocado precisa de bolinha encarnada… ;) Abraço

1:17 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Nem tinha reparado, querida e doce e luminosa DY ;) Não fiquei com referência nenhuma nem procuro ninguém (na net quero eu dizer)… Que o seu net-desaparecimento corresponda a mais largos e autênticos voos, é o que desejo. Bjocas. PS: Que raio são gifs?...

1:18 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Raio dos siameses… ;) Ó Bispo, não há esquecimento em Deus, mas há-o em nós (o nada) e assim o há na nossa relação com Ele e com o resto… Abraço. PS: Eu sou daqueles que bebe o suma de laranja para poder fumar o cigarro… ;) E os livros, bem, pois… olha, há piores vícios… PS 2: O que nós gostávamos é que Deus fizesse o trabalhinho por nós, não nos deixasse livres para ajavardarmos a vida e a terra, ou nelas nos salvarmos… Ma non é cosi…

1:18 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Então, discipúlos, vocês só sabem vir para aqui auto-publicitarem-se?... :P Abraço, e fiquem bem.

1:21 da tarde  
Blogger Paulo Sempre said...

Essa dúvida sobre o que "andamos aqui a fazer" é o que nos faz ainda por aqui andar...
Enquanto consumo mais um cigarro, deixe que lhe deseje um bom fim de semana e parabéns pelo excelente blogue.
Abraço
Paulo

10:40 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Huuuum, porventura, sim, caro Paulo. Mas não deixa em certos dias de ser um motivo e motor um pouco… assustador. Não sei que segurança se anseia em certos dias de desespero, ou até de surda melancolia. Sei que não é estática, e tenho em crer que não é possível ser habitado por ela, sem uma radical transformação de si próprio. A seguir o deserto, o navio prossegue, puxado à sirga, em paráfrase dum moço poeta já ido.

Enfim, são manias, e dias ;)

Que os dias algo ensinem, pretende-se. Como e o quê, é a interrogação. E certamente, o que no faz ainda aqui andar.

Bem, do porventura ao certamente em dois parágrafos… Vou mas é fumar um cigarrito também ;)

Um abraço, bom fim de semana.

12:40 da tarde  
Blogger Paulo Sempre said...

"certos dias de desespero". É...!há ocasiões assim...: "meu tempo"; "outro tempo"; "era uma vez"....etc...
São urgentes estes "mitos" da criação humana para sentirmos o quanto o tudo é possível. Em muitos casos, com eles reiventamos a história mas, acima de tudo, não a deixamos cair no olvídio.

Agora não sei onde deixei o isqueiro.... Já sei! afinal ficou na cama onde eu e a miúda, a noite passada, "curtimos" um cigarro após uma "conversa" libidiana.

Aqui..a Sul....ainda se fuma "babas de milho"....era uma vez.....

Abraço
Paulo

2:56 da tarde  
Blogger Discípulos said...

Um Caminhito Completamente Novo

2:31 da tarde  
Blogger Klatuu o embuçado said...

Tu e o Paulinho fazem um belo par de «teólogos»! :)

P. S. Concordo, os Profetas são Pais da civilização.
...
Com o Kurtz... e com os Discípulos! JAJAJAJA!!!

8:09 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Na mouche, Paulo, essa relação entre o esquecimento e a memória colectiva. Trata-se também de reactivar o fáctico passado em doação de sentido presente.

Eu já há largos e imberbes anos, fumei ba(r)bas de milho… Fiquei a tossir toda a tarde… Também não sei se foi grande ideia enrolá-las em papel jornal… :) Quanto ao cigarro após, eu também não o dispenso, embora hoje em dia haja uma já quase obsessiva e generalizada mania do: Não fumes aqui no quarto… Mas para bem dos meus pecados, nem eu nem a que detém sol da minha lua, partilhamos dessa mania… ;)

Abraço, e bom início de semana.

10:15 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

Caros discípulos.

Se é completamente completamente novo… como é que é um caminho?... Ou se preferirmos: como podem os meus pés caminhar em terra absolutamente estranha?...

Abraço.

10:15 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

Bom dia, Klatuu.

Sim, ok. Tudo algo faz. Mas mantém-se premente a questão da decisão, isto é – do bem e do mal. Talvez até e precisamente, porque tudo participa de tudo. O sal e a pimenta. E o que neles condimenta, e o que neles descondimenta.

E há sempre a questão da barricada, nos momentos de urgência histórica. Há porventura uma terceira resposta, que abra lados a cada lado.

Não deixa de ser um mundo estranho. Pró confuso. Nós próprios também, aliás.

Abraço.

PS: Não faltas tu no ramalhete? ;)

PS 2: Aqui não se teologa; teodelira-se.

10:16 da manhã  
Blogger Klatuu o embuçado said...

«Teodelira-se»??? JAJAJAJA!!! todo o cristianismo é um «teodelírio»!

____

Vitor... tu já me conheces um pouco...
Se os profetismos estão na base de civilizações... podemos pensá-los como ideologias. Além do mais, o profetismo judeu é todo feito de acção, pouco tem que ver com as religiosidades de misticismo extático (e estático)... A Palavra é acção!

Tinhas logo que escolher os dois profetas que mais admiro... João, o Baptizador, o mestre de Jesus... e Elias, o Fogo, «a palavra que queima como um archote». Se investigares a fundo Elias, perceberás que é ele o Mestre Oculto de João e porquê é por ele que Jesus chama na cruz - «Elias, Elias porque me abandonaste?» (a Vulgata é uma aldrabice pegada) - é também por ele que os judeus esperam na Páscoa, e por isso colocam na mesa uma taça (e cadeira vazia) cheia de que ninguém bebe, porque a Elias é consagrada... O que de seguida direi para ti será heresia, mas é parte fundamental da minha Teologia: Jesus não foi um homem, mas sim um Celestial, um Anjo Juíz (o seu percurso no mundo permite perceber a sua substância... de início é todo poderoso, cura, domina os elementos naturais, etc, já em criança era prodigioso... à medida que o tempo passa vai perdendo os seus poderes... e morre humano na cruz), mas Elias foi um homem e o maior profeta que alguma vez percorreu o mundo... o único que se Reintegrou inteiramente na substância divina do Adam Originário.

Enfim... mas isto era para falar de política... aquela coisa cretina que é a vã tentativa de os homens no mundo funcionarem em colectivo com alguma perfeição celeste! :)

http://gothland666.blogspot.com/2005/10/pequeno-apontamento-acerca-do.html

Quando ao Estado da Nação... te asseguro que mil vezes preferia que os Portugueses rezassem ao nevoeiro do que discutissem a merda do Orçamento de Estado de engorda o rico e chula o pobre!
O problema de Portugal hoje... é que já não acredita no Estado nem na Nação e não tem um rumo... e a maior merda é que não se encontra um rumo... Não podemos voltar ao fascismo - seríamos a vergonha da Europa - não há novas ideologias, esta «democracia» nem funciona nem é amiga do Povo... etc! Para onde iremos?? Eu penso que a Monarquia poderia ser uma solução... Mas temo que, antes disso, os militares sairão para a rua e vão foder esta merda toda!!

Abraço, Vitor, não me esquecerei de ti... no mundo, no Céu... e no Inferno...

Gloria Dei!

2:19 da tarde  
Blogger Klatuu o embuçado said...

Aparece-me cada atrasado mental do teu blog a chatear-me os tomates!!

P. S. Estes gajos substituem a droga pelo «Jisus» e depois temos que os aturar?? Não me parece.

5:58 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

Eh eh eh eh... Ih ih ih ih... Pá, que é que tu queres, Klatuu,é a vida... Mas eu até acho que Deus contaminou o mundo com o fogo do seu amor, portanto... E tens razão, não seria lá o lugar de falar disso... São as blog-contaminações... Falarei da contaminação e do mais que tu invocas aqui... Mas confesso (eh eh eh) que essa blog-contaminação me pôs a rir logo pela manhã… Com todo o respeito por ambos perturbados… ;)

Mas, back to what matters, ou o que primeiro foi dito :

Claro que um teodelírio: um escândalo para os gregos :P

Bem, e a heresia… Se atentarmos à história desta(s) e respectivos concílios que se confrontam nela(s) e com ela (s), salta à vista (enfim…) que um dos polos de confusão é o paradoxo do deus-homem, e a tentativa de domesticar esse paradoxo dando primazia a um dos polos, humanos ou divinos. O pelagianismo escapa à primeira vista a esta tensão, mas numa problematização mais aprofundada, notamos que o facto de a natureza humana não poder salvar-se (comungar com o divino) a partir de si própria, se conecta intrinssecamnente com a questão de Jesus ser também inteiramente humano. Esta apreensão histórica dá para mim um sentido profundo à etimologia da Palavra (escolha) pois tem que ver precisamente com a escolha de um dos polos do paradoxo cristão.

Como eu já disse por aqui : considero a heresia (escolha) um dos polos da conversão contínua a que somos chamados… Se debitarmos os paradoxos da fé (inteiramente humano e inteiramente divino, para o caso) sem balançarmos dum para o outro, não é na carne da vida que estaremos a viver o cristianismo, mas tão só no discurso e na representação, o que não faz muito sentido pois o cristianismo pretende deflagrar estes para lançar-nos no transcendente e trazê-Lo à vida. É a tensão entre ambos que permite e instiga o movimento da conversão. Ou então estaremos a usar os mistérios da fé para os nossos interesses de grupo, ideológicos etc etc etc ao arrepio total do comportamento, precisamente… de Jesus.

O problema é que o termo « heresia » se contaminou (eh eh eh) historicamente com um sentido juridico-penal muito violento, ganhando na boca de ideólogos um sentido de erro execrável, perigo a exterminar e coisas do género… E não falo do passado, como é evidente (sic) ;)

Já agora, é claro que o profetismo (ou outra palavra qualquer) se pode – e o faz sempre – concretizar em ideologias (sistemas de sentido). Mas o elemento interpelativo e aberto que o caracteriza – e que aliás, é o que tal permite – desaparece naturalmente nessa efectivação e objectivação ideológica. Trata-se não de negar estas (e que cada um de nós o faz) mas de ter noção que não se pode reduzir o profetismo a tais resultados históricos ou pessoais.

Mas voltando à heresia… No sentido que eu lhe dei, claro que dizer que Jesus era um anjo é uma heresia, pois anula o polo « humano ». Mas isso só significa que não é assim que eu vivo a cena, e que quem o faz não pode, pelo menos no sentido tradicional e histórico, denominar-se cristão. Embora pense que não seja o teu caso :P, penso que pode denominar-se cristão num sentido pessoal, desde que isto seja claro. Por exemplo à Dan Brown, não acho muita piada – que essa seria por exemplo a verdade oculta que se esconde por trás das misteriosas palavras dos apóstolos e da Igreja… Quer dizer, piada até acho, mas acho historica e religiosamente muito questionável.

Bem, e a Vulgata não é bem uma aldrabice. Trata-se duma tradução, com todas as transformações culturais, temporais, psicológicas, políticas etc que tal actividade tem. Mas Deus acompanha todas as actividades, e a quem ora o vai guiando sob tropeços e acertos :P Mas eu não uso a vulgata, e sim o texto original grego (quero dizer, para estes casos de dúvida linguística, que o meu pobríssimo conhecimento de grego não me permite mais ;) e nele não vem « Elias »… Não tenho aqui o original à mão (edição da Sociedade Bíblica), mas no fim de semana vou espreitá-lo e porei aqui o que lá vem… Agora, a fixação do texto em grego também não é historicamente clara, e sobretudo, nada garante que no facto e na verdade Ele tenha dito Elias ou sequer qualquer coisa… Mas isso… O sentido dos textos religiosos não são apenas fácticos (embora também e fundamentalmente o sejam).

Elias são evidentemente textos proféticos admiráveis, assim como a actividade do João Baptista narrada nos evangelhos ;). Mas a palavra incitadora deles, tem também como fundo e eco, extâses e momentos de estatismo contemplativo. E doutro modo não poderia ser, visto que tratam da relação do humano com Deus.

Quanto à infância de Jesus, voltamos à heresia :P. Para além das parcas indicações nos evangelhos canónicos, os textos que eu conheço que tal referem são o « Proto-Evangelho de Tiago », o « Evangelho do Pseudo-Tomás » e a « História de José o carpinteiro ». Consegue situar-se a sua escrita nos séc. II/III/IV depois do Dito. Mas ao lê-los, não sou capaz de deixar de notar que estão imbuídos duma tentativa (natural, e que todos fazemos à luz da nossa personalidade, época e lugar) de tornar o paradoxo do humano-divino de Jesus categorizável. Os prodígios do menino Deus tornam-no próximo das outras narrativas acerca de deuses, semi-deuses e etc – tal como aliás ocorre também nos evangelhos canónicos, mas dada a sua maior proximidade com o facto Jesus (tanto cronológica como eclesial ou apostólica) esse elemento é tratado de outro modo, isto é, mais conivente ao paradoxo.

Diga-se também para os menos atentos que tanto as heresias como os textos considerados apócrifos fazem parte intrínsseca do evolver do cristianismo, e são tão erros e acertos como os dislates eclesiais. Como se sabe, por exemplo a mariologia tem a sua base nos apócrifos, e não nos evangelhos canónicos, assim como o presépio do menino Francisco…

E para terminar, acerca dos erros e acertos da e na caminhada humana, há uma ideia da indizibilidade de Deus, da sua transcendência absoluta relativamente ao que podemos Dele tocar, que é muito interpelante. Mestre Eckhart (a quem o magistério fartou de chatear a molécula ;) fala muito do Deus para lá de Deus… Deixo então um textozito apócrifo, com pendor gnóstico que tu tanto aprecias :

« Os discípulos : « Senhor, como ter fé ? » E o Salvador disse-lhes : « Passando da obscuridade à luz da revelação. Este fulgurar da inteligência ensinar-vos-á a encontrar a fé que manifesta o Pai sem pai. Que aquele que tem ouvidos para escutar escute ! O Mestre de todas as coisas não é o Pai mas o ancião. Pois o Pai é apenas a origem do que acontecer. Mas o seu pai é o ancião, Deus de todas as coisas desde o início até aos tempos longínquos. » (Papiro 1081 dos « Papiros de Oxirinco », descobertos de 1897 a 1904 e datados do séc. III)

Abraço, ó inesquecido !

Gloria Dei, semper !

PS : Isto já vai longo, mas pronto… totalmente de acordo contigo na preferência do nevoeiro. A chulice interna que Portugal atingiu é verdadeiramente vergonhosa. E se a democracia representativa já é por si muito problemática relativmente à relação dos ricos com os partidos, neste país é mesmo juntar óleo ao fogo… O parlamento devia ser uma coisa nobre (no sentido ético da palavra) mesmo e sobretudo se lida com tanta contratualidade explícita e implícita. Até porque a ideia de democracia é nobre e justa… Mas lá está, isto não é o céu… Há muito que não lia uma definição tão estrondosa da política como a que fizeste… ;) Não sei se a monarquia é solução ou não… mas lá que isto está uma merda… Enfim, seria mesmo outra conversa…

2:01 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Aliás, agora me lembro: essa citação de Jesus na cruz, no original grego, está em aramaico... O que me reduzirá às notas de rodapé e bibliografia complementar, porque se de grego quase nada sei, de aramaico então é nicles batatoides... Eh eh eh... O melhor é telefonar ao Mel Gibson...

3:31 da tarde  
Blogger Klatuu o embuçado said...

Enquanto falas com o Mel? :)=
Vou digerir isto e volto outro dia...

Abraço.

3:16 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

O Mel não me atendeu, parece que está incontactável numa clínica qualquer... ;)

No original grego (Mt 27, 45), que podemos datar do fim do séc. I / início do séc. II, vem a expressão aramaica transliterada em grego, seguindo-se a clássica tradução (Meu Deus, Meu Deus, porque me abandonaste?). Trata-se duma citação do início do Salmo 22. Era costume nas assembleias judaicas, citar-se o primeiro verso de um salmo antes de o comentar na sua inteireza (estava-se entre conhecedores ;)

Se foi Jesus na cruz que iniciou um comentário ou o(s) autor(es) do evangelho... deixa-se isso à decisão exegética de cada um...

Eis o salmo em comentário:

"1Ao Director do coro. Pela melodia "A corça da aurora".
Salmo de David.

2Meu Deus, meu Deus, porque me abandonaste,
rejeitando o meu lamento, o meu grito de socorro?
3Meu Deus, clamo por ti durante o dia e não me respondes;
durante a noite, e não tenho sossego.
4Tu, porém, és o Santo
e habitas na glória de Israel.
5Em ti confiaram os nossos pais;
confiaram e Tu os libertaste.
6A ti clamaram e foram salvos;
confiaram em ti e não foram confundidos.

7Eu, porém, sou um verme e não um homem,
o opróbrio dos homens e o desprezo da plebe.
8Todos os que me vêem escarnecem de mim;
estendem os lábios e abanam a cabeça.
9"Confiou em Deus, Ele que o livre;
Ele que o salve, já que é seu amigo."

10Na verdade, Tu me tiraste do seio materno;
puseste-me em segurança ao peito de minha mãe.
11Pertenço-te desde o ventre materno;
desde o seio de minha mãe, Tu és o meu Deus.
12Não te afastes de mim, porque estou atribulado
e não há quem me ajude.

13Rodeiam-me touros em manada;
cercam-me touros ferozes de Basan.
14Abrem contra mim as suas fauces,
como leão que despedaça e ruge.

15Fui derramado como água;
e todos os meus ossos se desconjuntaram;
o meu coração tornou-se como cera
e derreteu-se dentro do meu peito.
16A minha garganta secou-se como barro cozido
e a minha língua pegou-se-me ao céu da boca;
reduziste-me ao pó da sepultura.

17Estou rodeado por matilhas de cães,
envolvido por um bando de malfeitores;
trespassaram as minhas mãos e os meus pés:
18posso contar todos os meus ossos.
Eles olham para mim cheios de espanto!
19Repartem entre si as minhas vestes
e sorteiam a minha túnica.

20Mas Tu, Deus, não te afastes de mim!
És o meu auxílio: vem socorrer-me depressa!

21Livra a minha alma da espada,
e, das garras dos cães, a minha vida.
22Salva-me da boca dos leões;
livra-me dos chifres dos búfalos.

23Então anunciarei o teu nome aos meus irmãos
e te louvarei no meio da assembleia.
24Vós, que temeis Deus, louvai-o!
Glorificai-o, descendentes de Jacob!
Reverenciai-o, descendentes de Israel!
25Pois Ele não desprezou nem desdenhou a aflição do pobre,
nem desviou dele a sua face;
mas ouviu-o, quando lhe pediu socorro.

26De ti vem o meu louvor na grande assembleia;
cumprirei os meus votos na presença dos teus fiéis.
27Os pobres comerão e serão saciados;
louvarão Deus, os que o procuram.
"Vivam para sempre os vossos corações."

28Hão-de lembrar-se de Deus e voltar-se para Ele
todos os confins da terra;
hão-de prostrar-se diante dele
todos os povos e nações,

29porque a Deus pertence a realeza.
Ele domina sobre todas as nações.
30Diante dele hão-de prostrar-se todos os grandes da terra;
diante dele hão-de inclinar-se todos os que descem ao pó
e assim deixam de viver.

31Uma nova geração o servirá
e narrará aos vindouros as maravilhas de Deus;
32ao povo que vai nascer dará a conhecer a sua justiça,
contará o que Ele fez."


Deixa-se a interpretação e etc, também a cada qual.

Abreijos!

8:42 da manhã  
Blogger Lord of Erewhon said...

O que práqui vai... Tenho que ler isto com calma.

12:47 da manhã  
Blogger Goldmundo said...

Vitor, obrigado. Não sabia que a frase era do Salmo (para dizer a verdade, acho que nunca tinha lido este salmo). Lamentável a incultura católica. Ai ai.

Esta lembrou-me um protestante, professor de teologia, que se converteu recentemente. Conta que ao assistir a uma missa católica pela primeira vez, ao reconhecer o fundamento bíblico de cada uma das frases, o sentido de cada um dos gestos, pensou "obrigado meu deus por me teres educado como protestante, se não não percebia nada do que aqui está a acontecer" :P

1:02 da tarde  
Blogger Goldmundo said...

Brilhante o que disseste acima sobre a heresia. Devias pôr isto em post, senão perde-se aqui e é uma pena. Os posts sempre vão sempre lidos.

Alguém dizia "O oposto de uma pequena verdade é sempre uma grande mentira. O oposto de uma grande verdade é sempre uma grande verdade".

1:05 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Pois. Já há algum tempo que ando a marinar para fazer um post acerca da heresia… Bem, e com uma sugestão da Ribeira… apressa-se o processo ;)

Essa da verdade dos grandes opostos é do Pascal?... Se não é, ele é seu patrono, tenha ou não sido enunciada antes dele respirar ;) E aliás, a propósito ou a despropósito, nunca é de menos lembrar o Pascal… Eu nos meus melhores dias, penso que a humanidade, isto é, todos nós, estamos a milhas de ter digerido e integrado a lucidez antropológica do sieur de Port Royal ;) Curiosamente, sabes, penso que foi uma benesse as “Pensées” terem ficado incabadas; contemplamos assim, em muitas delas, as intuições na sua acutilância primeira, ainda não domesticadas pela reflexão arrumadora.

Abraço, Maister.

11:18 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

Bom dia, bispo... Gostarás tu do Pascal?... O teu amigo Nietzsche dizia que lhe corria (entre outros, claro;) o sangue de Pascal nas veias... O que só causa confusão aos ideólogos de sistema... Abraço

11:20 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

Ah, que pena não ter aqui as "Pensées" à mão... Tem a melhor defesa (ou a mais irónica) da monarquia que eu conheço... Após demonstrar que todos os processos de escolha estão absolutamente à mercê da aleatoriedade (escolha do mais apto, decisão por debates associativistas, represntação da maioria...) declara que por hereditariedade é tão irracional como outra qualquer (com a vantagem da irracionalidade estar, digamos assim, mais à vista) mas que é um processo barato e rápido (C´est clair, c' est net et on ne perd pas de temps ni d' illusions - algo do género... Eh eh eh...)

11:26 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

Mais correctamente será: "Et on ne perd pas de temps ni on gagne des illusions." Não é uma citação directa, mas uma desgarrada de memória...

12:22 da tarde  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

1:56 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home