segunda-feira, novembro 24, 2008

Foi-se, com citação de nanaqui

É preciso não esquecer, sobretudo nas alturas de gáudio e contentamento, que a coisa verdadeiramente terrível – é nascer; ser trazido à dor e à devastação, que seja como e quando forem – acabam sempre por ter a última palavra.

Ir para a ala dos doentes terminais conviver, na véspera da sua lua de mel, é tão só manter a tensão que a nossa lucidez exige.

No monoteísmo tanto o terrífico como a exigência de lucidez se intensificam até ao absoluto: estar perante Deus, só perante Deus, é responder por tudo aquilo que se é e faz e diz desde que se nasceu, é responder absolutamente por si.

(São máximos, e então são cegos, dolorosos, como se sabe, impossíveis, inconcebíveis, exigem e clamam pelo deus.)

Quem és? perguntamo-nos perante aquele que é, que revela e interpela o que somos e não sabemos, violentamente expostos, nus, tão nus como perante a morte, a nossa própria. O momento em que não há escapatória nem adiamento possíveis. O momento cego da carne viva e verdadeira, perante a morte todo o resto é brincadeira, balelas de esperança e ilusão, perante Deus nada somos nem sabemos disso que afinal somos.

Aí, não há propriedade alguma que valha e seja nossa, aí não há sabedoria nem instinto, não há cultura, ciência, arte, religião, natureza, nada, nada de nada de nada, e eu vo-lo tinha dito: sem obras, sem língua, sem palavra, sem espírito, nada.

Nada, senão um belo Pesa-Nervos.

18 Comments:

Blogger biazinha said...

És bem lúcido e argumentas bem. Gosto de ler-te.

Beijos.

12:35 da tarde  
Blogger biazinha said...

Desapareceste do bar...:(

12:35 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Ei, como desapareci? ainda hoje postei a minha crónica quinzenal... não tenho é tido muita disponibilidade para blogar fora os meus posts e respectivos comentários... vida dura LOL

saúde ossiânica!

4:39 da tarde  
Blogger biazinha said...

Na hora em que comentei aqui em teu blogue tu devias estar postando. Já comentei o post.

Beijos.

11:12 da tarde  
Blogger Morgana La Folle said...

Artaud... Adoro o Artaud, quase tudo o que ele escreveu - como o Pesa Nervos - é um poético soco no estômago.

Gostei muito deste texto, encontro-lhe muitas ideias com que me identifico muito. Rendi-me logo no início, porque desde criança que sei e sinto isto:

"a coisa verdadeiramente terrível – é nascer;"

E olha que tive uma infância feliz. E tenho uma vida boa, sem grandes "coisas terríveis" - só não lhe chamo feliz porque, aí está, nasci!, e não gosto deste Mundo, preferia não ter vindo cá parar; e tenho os olhos demasiadamente abertos (sobretudo quando os fecho :) bem vejo. Claro que agradeço a Deus o "bom" que me tem dado, mas sei que mesmo que nunca o perca, não é aqui que vou matar a fome e a sede.

Percebo quando dizes que ir para a ala dos doentes terminais nos faz manter a tensão e a lucidez. Tenho-as por natureza - sobretudo a tensão... - sinto-as ao rubro quando perto dos que estão em vésperas de lua de mel.

Vês, fizeste-me escrever imenso, os meus comentários raramente são tão grandes!

Um beijo, Vítor

4:24 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Salut, Morgana la lucide

Pois, o terror existencial não depende de infâncias infelizes ou adolescências desesperadas ou guerreadas adultices ou depressivas e dolorosas velhices… está antes de qualquer modo de acontecermos, e pode dar-se um rebate no cerne da vida mundanamente feliz e realizando-se – já não se percebe nada disto que somos, sem que nada aparentemente tenha mudado e tudo esteja a correr bem ;)

Passa-se que as coisas excedem-se infinitamente a si próprias, e nós somos o lugar dessa dilaceração, e por isso damos nomes às coisas, os terríveis nomes que damos às coisas e elas nos gritam; este terror não é um medo intensificado, é da ordem do espanto, é da ordem das terras de gore LOL assim mesmo: o pequeno grão de açúcar no tampo da secretária, é infinito para todos os lados de si, explode mesmo aí na sua tranquilidade poisada; e é neste embate explosivo que se dá a beleza maior (“La beauté será convulsive, ou ne sera pas” dizia também o companheiro intermitente e desconfiado Breton); não é o medo do escuro, mas a lucidez do olhos que explodiram dentro da própria visão, mantendo a actividade desta.

Em anestesiada linguagem intelectual: por exemplo, este cão que passeia no passeio frente à janela da sala onde escrevo estas linhas; para representar-me tal nos modos como o acabei de enunciar, pressupõe-se a noção específica de cão, assim como a genérica de animal, de vida, e o mesmo tipo de pressupostos para sala, rua, passeio, janela, interior, exterior, corpo, escrita etc etc indefinidamente; e também a concretude do cão abre para uma composição infinda: os orgãos, a pele, os dentes, os pelos, o sangue, as células, os átomos, os electrões e núcleos, etc etc, para não falar da estranheza da vida que o anima. Esta afirmação de que seja o que for, da pequena gota de suor à via láctea, ser formal e concretamente abismal, conduz a um estado de consciência na dilaceração máxima: do infinito da totalidade ao infinitesimal da parte.

Nanaqui é também um grito de fazer corpo deste estado (“Eu sou o INFINITO”); de não retê-lo na intemporalidade mental que nos separa dos nossos actos vitais, da respiração aos beijos, da impressão ao acto, da alimentação à poesia; nanaqui é o grito desse acto, que só pode acompanhar-se agindo também.

O resto é literatura LOL

Vénia lenta e funda, Fata-qui ;)

1:26 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Pequeno périplo:

“Este facto é a consciência racionalista do mundo que na sua aplicação à nossa vida de todos os dias no mundo, produz aquilo que eu chamarei a consciência separada. (...) Para pensar temos imagens, temos palavras para estas imagens, temos representações de objectos. Separa-se a consciência em estados de consciência. Mas isso não passa duma maneira de falar. Para olhar a nossa consciência, somos forçados a dividi-la, senão esta faculdade racional que nos permite olhar os nossos pensamentos não poderia jamais exercer-se. Mas na realidade a consciência é um bloco, o que o filósofo Bergson chama de duração pura. Não há paragem no pensamento. O que metemos diante de nós para que a razão do espírito o olhe, na realidade já passou; e a razão não detém mais que uma forma, mais ou menos vazia de verdadeiro pensamento.”

“E sabemos bem que o teu pensamento não está completo, acabado, e que seja qual fôr o sentido para que te voltes ainda não começaste a pensar.”

“(...) que as ideias não sejam mais ideias, mas uma Vontade que vai passar aos actos.”

“Sim, o espaço rendia o seu pleno algodão mental onde nenhum pensamento ainda é nítido e restitui a sua descarga de objectos.”


“Virá o dia em que poderei escrever inteiramente o que penso na língua que desde sempre não cesso de aperfeiçoar como vinda de mim pela minha dor.”

“Mas ainda assim se vê em demasiado signos que tudo o que nos fazia viver não se sustém mais, que estamos todos loucos, desesperados e doentes. E eu convido-nos a reagir.”

“Todos os seres salmodiaram um teatro, / e o universo é um teatro, / a representação duma tragédia que se consuma mas que poderia não ter tido lugar.”

“Aí onde outros propõem obras não pretendo outra coisa senão mostrar o meu espírito. / A vida trata de queimar questões. / Não concebo obra nenhuma como destacada da vida.”

“Nenhuma imagem me satisfaz senão quando é ao mesmo tempo Conhecimento, quando carrega com ela a sua própria substância ao mesmo tempo que a sua lucidez. O meu espírito cansado da razão discursiva quer-se arrastado pelas engrenagens duma nova, duma absoluta gravitação.”


“Toda a verdadeira efígie tem a sua sombra que a duplica; e a arte cai a partir do momento em que o escultor que modela crê libertar uma espécie de sombra cuja existência rasgará o seu repouso.”

“E se há ainda alguma coisa de infernal e de verdadeiramente maldito neste tempo, é de se demorar artisticamente sobre as formas, em vez de ser como supliciados que ardem e fazem signos nas suas fogueiras.”

1:28 da tarde  
Blogger Morgana La Folle said...

Vítor,

Sim! Dar nomes às coisas, a todas elas, sejam objectos, seres, ou pensamentos e sentimentos, resulta sempre num irremediável terror-espanto. Nomear é um exercício tosco cheio de muito dolorosos resultados. E nenhum é o certo. Nem sequer próximo disso.

A tua resposta é tão verdadeira, que agora não tenho vontade nenhuma de falar. Dou uma volta de 180 graus, entro na linguagem dos gestos, que é a única em que acredito um bocadinho, e limito-me a olhar para ti, muda:

:)

***

4:28 da tarde  
Blogger joaquim said...

Amigo Vitor

Às vezes dás-me um nó na cabeça, fraquita coitada, e não chego lá!

Depois fecho os olhos e leio-te na simplicidade do coração e deixo que o sentido das palavras apareça nitido no meu entendimento.

E gosto, gosto muito!

Abraço amigo em Cristo

10:22 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

Olá, Joaquim.

Ah sim, quando a cabeça se separa do coração e da vida, dedica-se às enxaquecas de si própria LOL

A verdade é sempre simples, no fim e no limite; os modos de lá chegar é que por vezes se complicam, por razões de hábitos de vida, pensamento, e por fundo confuso e tendencioso do pecado original, cuja acção central é desviar-nos da verdade em pensamentos, actos e omissões ;)

Um abraço em Cristo

1:34 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Um beijo, Morgana :)

1:35 da tarde  
Blogger rosa que fuma said...

gosh, há lá coisa pior que ansia de infinito? é deitar creme brule ao fogo posto!

nascemos para a ansiedade, cordeirinho. Nem explico que é para não dar tanga

:P

1:30 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

mais um passo

nascemos na angústia

que arda pois transborde e expluda

:X

e estranho se sustente
num novo corpo
que se rasga de novo fogo

:Z

(...)

e leio uma nota deixada na cozinha por quem se abriu à viagem maior: "Antes quebrar o arco do que visar um alvo limitado."

e sei: claro que não há coisa pior: desarruma tudo

: A

11:45 da manhã  
Blogger Gotik Raal said...

Vítor,

E no entanto não vislumbro equação de pensamento ou espírito em que o nascimento seja, indiferentemente, desprovido de valor e de sentido. E, consequentemente, o mesmo para o "terrífico" e "exigência de lucidez". E que esse valor e sentido são um propósito, e como tal um sinal positivo.
Mas reconheço que é sempre tentação minha, quando leio um bom texto como este, a de agarrar a outra extremidade, quase um reflexo involuntário. Pode ser...

Mas depois lembro-me de quantas células morrem no meu corpo a cada instante, e que eu sou também (ainda que envoltório) essa morte; e que quem sou nada lhes diz...
E que o pão tem de ser amassado antes de ser comido, tem que nascer.

Abraço, Vítor!
Gotik Raal

3:37 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

se a alma não fôr fermento, não respira

digamos que concretíssima é, a sua imortalidade ;)

um abraço, Gotik

4:28 da tarde  
Blogger rosa que fuma said...

ata, tanta careta!repara, ansiedade. Porque é que insisto?

Ao cordeirinho, porque é sobrenatural, doi e ele não esperneia.
Porque a ansiedade torna a dor no prazer e o prazer em dor. Torna-os adjectivação. Falavas de transubstanciação. Eu falo do que é necessário À palavra: confiança. O teu vizinho não pode ser um animal. E não é

10:01 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

Esperneia, esperneia, e mergulha na solidão mais extrema, até ao último espelho.

Mas a transformação última de si não vai lá com palavras nem com vizinhos; embora transborde para tal como para todo o resto.

Animal sou, esplendoroso e horroroso – humanauta; não percebo muito bem as tuas dicotomias.

Também há palavras desconfiadas, palavras mentirosas; e ansiedades diversas.

A confiança parece-me mais uma tarefa do que um dado adquirido, pelo menos com os humanautas ;)

bjocas

12:02 da tarde  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

2:13 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home