segunda-feira, junho 23, 2008

Sequela

em memória de Martinho Lutero


É a minha cruz, tão inúmeras vezes ouvimos dizer em relação com um desastre da vida, a loucura ou o desespero nossos ou de outros, um cancro no esófago e o cabelo a cair juntamente com a vitalidade e o corpo falhando gradualmente, fenecendo, ou um filho que se suicidou, alguém que enche as veias de merda, a criança a rebentar de leucemia, a guerra e a morte que os nossos actos produzem e exaltam e mantêm, o acidente que matou todos os que iam no carro, toda a nossa tenebrosa maldade a ribombar por dentro e por fora até ao longínquo horizonte que nos estilhaça – e assim é, deveras assim é.

Mas dentro desta feroz consciência jaz a possibilidade do mais discordante equívoco - o de dissolver o cristianismo num estrito diagnóstico da existência e da natureza. Que com estas esteja conforme, é um garante da sua veracidade; que se reduza a essa lucidez, sem transfiguração disso tudo de que se toma terrífica consciência – é o perigo subtil da colisão da lucidez com a revelação do crucificado.

Todas as nossas células e respirações tendem com todas as suas forças a renegar o sol negro do gólgota, esse abismo em que deus grita o seu próprio abandono, em que o silêncio maior que todas as noites e fracturas mortais – nos é mostrado em toda a sua brutalidade. Lemá sabachtáni, é o segredo da cruz de cristo, o deus que se abandona a si próprio, e que nesse abandono reactualiza a impossível aliança entre a divindade e tudo o resto que em sua própria medida – nega deus a partir do seu próprio ser criado.

A cruz de cristo, que arrebata todas as cruzes temporais e confusas, crava e justifica estas na tensão da deserção divina e humana, no aniquilamento, e que corresponde ao sofrimento máximo de ansear em última necessidade pelo deus e este ter de todo em todo – abandonado o lugar.

O cristão é um sem-deus que o sabe, e nessa luz negra, nesse abismo de injustificação – abraça todas as cruzes e alegrias da vida com a mesma tensão, o mesmo desespero de ausência, a mesma alegria de clamor pelo deus oculto no seu próprio desaparecimento.

Todas as sortes e todos os azares, todas as dores e prazeres, todas as desgraças, as felicidades, toda a lepra e toda a numerosa geração e exaltação – são dadas a trouxe-mouxe na mais profunda e intensa e gritante ausência de sentido, esse rasto de abandono do deus, esse indício feroz e fugidio que fulgura no vazio.

O cristão é aquele que sabe que a deus ninguém o viu; aquele que sabe ser chamado a vê-lo no jardineiro que cuida da espera e da procura, no forasteiro que rompe o pão à nossa mesa, que nos mostra as feridas do seu corpo junto às nossas; e de sobremaneira, vê-lo na ascensão, e nesse desaparecimento maior proclamar a sua presença com línguas de fogo até ao século dos séculos, até ao fim do mundo. É isto aliás, que nos sinaliza a realidade do deus na eucaristia, e no beijo da impossível paz.

Amar em contrário das aparências e das próprias inclinações e desejos, essa a pequena violência, que pode muito bem – e tantas e tantas vezes o será, quem sabe se sempre – anular-se mantendo-nos imóveis na espontaneidade de amarmos o e quem naturalmente amamos, de sofrermos as inevitáveis dores da nossa própria vida e morte e dos nossos; mas para tais cruzes sabermos, não é preciso deus nenhum.

A cruz de cristo mostra o amor do deus, o ilimitado amor criador que sustém todos os átomos e almas da história inteira de tudo, e isso és chamado a habitar e seres habitado por, nisso és chamado a viver e a morrer com, o grito do deus deflagrando em todos os teus nervos e momentos, aí mesmo agora e sempre, na alegria e na angústia e na hora da morte sempre.

Ide pelo mundo e tranfigurai todas as boas e más novas, ide pelo mundo e fulgurai tudo com o fogo da cruz, ide pelo mundo e baptizai; pela minha presença oculta no vosso ser e nos vossos actos eles verão, talvez não acreditando mas verão – que a carne ao ser beijada floresce para a eternidade.

Que a paz esteja convosco, repeti e anunciai-o, com a inocência e a astúcia anunciai, baptizai e incendiai. A inocência manter-vos-á no invisível deus e no seu único e amoroso acto; e a astúcia proteger-vos-á do subtil engano do mundo, essa voz demoníaca que em toda a carne sussurra.

Pois tal como o deus é único, também único é o perigo mortal de o negar, único o pecado, e só o imperdoável é propriamente pecado, ou melhor dito – sua fonte e origem.

Sempre que não violentardes a vossa natureza renovando-a no sangue do deus, no abismo da sua ausência e clamor, estais cuspindo no nome do deus; sempre que não renegardes as vossas inclinações e não amardes o vosso inimigo e abraçardes a maior estranheza, estais apagando o fogo do vosso baptismo; sempre que julgardes a alma prostituída ou o corpo corroído pela lepra, estais amaldiçoando o vosso próprio coração.

O meu jugo é suave mas terrível é a minha dor, não atenuai a minha loucura confundindo o meu amor com os desejos do mundo, da carne e da mente, mas deflagrai o meu amor nestes e salvai-os, deflagrai violentamente. Só a tempestade acalma a própria tempestade. Esta é a minha paz, a espada que nenhuma guerra humana fundirá e que eu vos entrego até ao fim dos tempos, este fogo que desce dos céus e tudo cinde e cinge, tudo divide e transforma.

Sabei que a minha cruz é amor e nada mais, e que abomino todos os vossos ídolos de poder e manipulações mútuas, todas as vossas potestades vazias com que pretendem preencher a vida com o vosso eu, todas as vossas vãs palavras e orgulhosos actos eu abomino; sabei que eu sou o vosso deus, o único deus, e que me manifesto lavando-vos os pés e morrendo por vós e nada mais, assim fazei sempre e também e comigo estareis até ao fim dos tempos e a inteira eternidade será celebrada em toda a terra e nos céus e nada mais.

(O ideal concreto – seria ser de cristo; no silêncio maior sê-lo e nada mais.)

3 Comments:

Blogger osátiro said...

Perseguição à Igreja Católica no Vietname:

http://www.zenit.org/article-18806?l=portuguese

Exemplo de Fé e Coragem.

2:00 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

Vietname, lugar de tanta dor, e por tal jardim de tanta fé e coragem, não apenas católicas. Que o sorriso de Phanxicô Van Thuân nos guie e ilumine:

“Disseram-me que minha nomeação era fruto de um complô entre o Vaticano e os imperialistas para organizar a luta contra o regime comunista. Vinham-me à mente muitos pensamentos confusos: tristeza, abandono, cansaço depois de três meses de tensões... Porém, em minha mente surgiu claramente uma palavra que dispersou toda a escuridão, a palavra que Monsenhor John Walsh, Bispo missionário na China pronunciou quando foi libertado depois de doze anos de cativeiro: ‘Passei a metade da minha vida esperando’. É verdadeiríssimo: todos os prisioneiros, inclusive eu, esperam a cada minuto sua libertação. Porém, depois decidi: ‘Eu não esperarei. Vou viver o momento presente, enchendo-o de amor.”


abraço, sátiro

11:50 da manhã  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

2:12 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home