segunda-feira, maio 29, 2006

Pequena flor – à memória de Guy Debord

O que se passa é que não se sabe se o que primeiro se passa serão ideias. À partida, não parece. Está-se na vida como um tiro e queda, não temos bem a impressão de ter existido antes de vir à luz da terra, nascemos para aqui de súbito, mas esta impressão e suspeita de ser – é confusa e obscura. Não faz perguntas, e nesse silêncio interpela, porque é a única porra que não está lá, porque é a única coisa que é tudo – acompanha-nos sempre, quero dizer, o estar aqui, agora, o inacessível estar aqui e agora. Antes de lá chegarmos, já passámos – e ficamos com a representação do que passou no passe de nós passando. É passados de passar que ficamos, vivemos sempre – sur le passage de quelques personnes, à travers une assez courte unité de temps.

E como é evidente, não tenho bem a certeza se viveste ou to viveram, pobre eu, foi a passar de te passar, de te escorrer, que viveste agora pois, mesmo agora.

Onde vais, pequena escuridão?
Vou para a luz, ver a minha noite.

11 Comments:

Blogger Manuel said...

Bom dia Vitor,

Näo sei se percebi bem, este texto denso e pensabundo, porque o li assim, de passagem. E fiquei pensando se seria sobre isso mesmo, a passagem, o que fica e o que parte, o que se inscreve (cf. Gil...) e o que näo consta das nossas marcas. Sobre a Páscoa, afinal?

12:46 da tarde  
Anonymous bleuuzs said...

alguém é algo igualmente abundante. algo não, uma coisa em algo, alguém!

2:46 da tarde  
Blogger A Capela said...

Oh Vitor,

Não te passa pela cabeça as coisas que passaram pela minha ao ler-te. Sei que passei mais um belíssimo momento de leitura e que também passei o resto do dia a perguntar: "onde vais pequena escuridão?" Pois passei, :p mas não me passei não.

Bjinho*

11:23 da tarde  
Blogger jorge said...

belo texto pá !

abraço.

12:01 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

Olá, Manel.

E gemebundo! ;)

Pois o Zé Gicas… Não li “O medo de existir”…

Seja como for, a noção de que chegamos sempre atrasados ao que nos ocorre, e que esse acesso precisamente não se constitui sob a forma da ocorrência… é uma estrutura fundamental da existência, algo assim. É isso que permite as ilusões e inversões e mentiras em que todos (digo bem: todos) vivemos. Para alguns cristãos, nos quais me incluo, isso tem um nome: pecado original. Segue-se depois o crime original de Caim, que constitui o social. Nós percebemos isso quando deixamos de compreender algo na brutalidade das ocorrências (uma relação pessoal, o sentido duma actividade qualquer, o estado do mundo…) A existência é uma crise da qual nos distraímos com esperanças e ilusórias confirmações de sentido. A fé é outra questão. É depois disto, para lá de todos os desertos e abismos de nada.

Ou seja, mesmo as inscrições existenciais, não estão garantidas ;) Nem o seu sentido, nem a sua correspondência com a vida, nem a sua permanência.

Mas a base desta clássica apreensão da distância connosco próprios, com aquilo que decorre e onde estamos, a vida que não sabemos nomear mas tão só interrogar e amar ou desamar (distância que permite a contemplação, a melancolia, a reflexão, a confiança amorosa no outro, o anseio duma vida autêntica, etc) é, digamos assim, antropológica. Não implica a resposta cristã.

Enfim, temo com esta resposta ter confundido ainda mais e pensabundamente ;) Mas pronto, a malta aqui no burgo não tem autoridade nenhuma e fala o que ressente e pensente sem retenção alguma…

Há a resposta louca do amigo do Zé Gicas, o Espinoza, que é algo como: Se Deus é primeiro, vamos rapidamente a Deus, antes que algum modo da representação ou da imaginação nos medeie. Note-se, por mera honestidade histórica, que o Deus de Espinoza não se diz como o Deus judaico-cristão ortodoxo, e que o homem foi anatemizado por todo o bicho religiosamente instituído. E note-se, por honestidade pessoal, que também não se diz como o meu. E aqui falaríamos da busca e dos nossos modos de anseio e prática espiritual, tutti legitimi (perdoem-me os italianos…:)

Abraço.

12:36 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Ei, Bleuuzs, sim para mim totalmente em rasgo e medo de fé… Mas isso é já dar resposta, é já pôr algo frente à confusão e ao absurdo e à revolta ou ilusão…

Relativamente à tomada de consciência, toda resposta ou nenhuma são, digamos assim, permitidas (em linguagem cristã: Deus cria-nos totalmente livres, e por isso, à sua imagem e semelhança, possível é criar a resposta, de infinitas maneiras). E assim são possíveis revoltas demoníacas, desesperos cépticos, negações ateístas, infinidade de religiões etc etc etc E só Deus as pode avaliar – ou então nada.

Mas para mim, sim. É tal qual como diz(es).

Alguém!

Abraço!

12:46 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Oh querida Malu, pois claro que não te passaste... Estás apoiada naquele Mistério que tudo pode e a tudo responde ;) A escuridão de ti transluz de Deus. A questão é que nem todos têm essa resposta a ancorar-lhes o coração e o segredo dos dias... Beijo grande.

12:54 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Jorjão, abração, pázão! :):)

12:55 da tarde  
Blogger Klatuu o embuçado said...

Bonito, Vitor, e profundo... mas isto já não vai lá com metafísica e discussões de teologia!!
Abraço.

2:46 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Alô, Klattu.

Pois, conversa longa seria… Se uma pessoa se vai medir pelos resultados, o melhor é ficar quietinho. A injustiça da história (tanto a colectiva como a pessoal) só se aguenta na distância da ironia (a raiva frustra e a melancolia imobiliza). Enfim, este é o meu caso, como diria o Manoel de Oliveira… ;)

E a fé, pois. Mas precisamente, ela não é deste mundo. Plantar uma flor em meio de horrores, nem que seja para esta florir meio segundo e morrer… é uma das suas tarefas. Aliás, a morte tem também aqui a sua palavra. E sejamos claros ;) a eternidade também, e nada tem que ver com ontem ou amanhã: a eternidade, como é evidente, só se conjuga no presente.

Indico isto, sem atenuar a impressão que estamos a viver um momento grave da história da humanidade, digamos assim.

E seja como for, não bastam discussões, não.

Um abraço.

12:07 da tarde  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

1:50 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home