quinta-feira, março 30, 2006

A cicatriz de Eva

Não me vejo aqui, ’tás a ver, nem em sítio nenhum, assim um algures sem rosto nem voz. E olho para as minhas mãos, isso eu vejo, vejo-me a olhar para as costas das minhas mãos, ’tás a ver, e não são as minhas mãos... Não são as que eram antes de eu estar aqui, se é que o estou. São mãos velhas, enrugadas, carcomidas. Mãos velhas, com pelos brancos e veias salientes. E depois aparece um espelho, e eu olho-me, ’tás a ver, olho-me e não sou eu, mas não sou mesmo eu, ’tás a ver, isto já foi há tanto tempo e agora, o que olhava para o meu olhar estarrecido, o que olhava para mim no reflexo do espelho, era um velho!... Um velho, ’tás a ver, não uma velha, um velho, um homem!... Não sei como é que o espelho não se partiu com o meu grito, o facto é que eu gritava e a imagem no espelho sorria... Sorria como se me acolhesse, como se reconhecesse alguém por quem esperara anos e anos e anos, ’tás a ver a ideia?... E depois nada, não sei o que se passou, vejo-me frente ao mar, e, bem, estou frente ao mar, ’tás a ver, e não há ninguém à vista, ninguém, a praia estende-se para ambos os meus lados e o mar em frente até ao horizonte, tudo bem, não é, tudo como normalmente é. As minhas mãos agora estão minhas, e o mar não é nenhum espelho e consigo respirar sem gritar, sabes bem como eu gosto do mar... Começo a caminhar à beira-mar, só naquela de me descontrair, sabia que não queria pensar no que acabara de acontecer... À cabeça assolavam-me sons, vê lá tu, sons de vozes, de entrechocar de objectos, trechos de música, mãos a roçar panos, motores rufando, sei lá eu morta, uma multiplicidade de sons ouvidos aqui e ali em determinadas situações mais ou menos intensas. Mas nenhuma fazia brotar no meu coração os sentimentos vividos. Era estranho. Apenas mental, percebes o que quero dizer?... E vinham imagens com os sons, ‘tás a ver, imagens das situações, mas vinham depois, as imagens acompanhavam os sons, eram posteriores a estes, eram distantes de mim ainda mais que os sons, como quando ouvimos a sonoridade duma situação a acontecer no quarto contíguo ao nosso numa pensão onde desembocámos por acaso e perdidos e cansados e nem o nome da vila sabemos nem queremos saber, apenas queremos dormir, é o que pensamos mas ali ficamos, até de madrugada, presos ao que se passa no quarto ao lado, ‘tás a ver, sem melancolia nem sobressalto ou raiva olhava eu os sons e imagens de mim a desfilar ao longo do mar e da extensão de areia e também sem muita atenção ou vontade, tão só se me impunham sem me despertar interesse... E então algo se sobrepôs àqueles sons e suas imagens, primeiro um som longínquo que se foi definindo como quando nos aproximamos do lugar donde o som provém, mas não era o caso pois eu estacara, parara ali junto à água e era o som que de mim se aproximava como as vagas da beira-mar, dissolvendo aquela estranha operação da memória, pois estes novos sons nada de meu me recordavam, eram como que reais, ‘tás a ver, quero dizer como que exteriores a mim, e à medida que se definiam fui-me apercebendo que eram chapinhanços, chapinhanços e gritos de brincadeira e alegria, e infantis, era o que me parecia, agudos e acelerados na excitação dos primeiros convívios e descobertas, e despertavam em mim interesse, sei lá eu morta porquê, um interesse muito vivo e intenso. A verdade é que aquilo me apelava, me borbotava toda de desejo de ver o que se passava, talvez por me parecerem miúdos e eu me ter visto velho, sei lá eu morta, e sei lá se foi o desejo ou a adaptação a novo momento que os colocou ali à minha frente vivos e visíveis, pois que em coração deposto os vi à minha frente como que de repente, na água nus e brincando, os miúdos, assim de sete, nove anos, os três, e o meu coração acelerando no meu peito e colocado todo neles como num susto ou numa cura... Não me viram logo enquanto os vi e olhei durante breves minutos, até que um deles acenou para mim com um saltinho chapinhado e um gritinho, e puseram-se os três a saltar e a chamar-me e eu avancei para a água... E vestida entrei no mar... Entrei no mar vestida, sei lá eu morta, vejo-me a chapinhar na água, ‘tás a ver, estava a chapinhar com os putos, gritando e rindo tal qual eles, tenho impressão que já nem pensava, mas já se sabe como é a memória... Sei que começámos nas amonas, ou lá o que é, aquilo de fazer o outro mergulhar, deves saber, é mesmo estúpida brincadeira de gajo, e aquilo no ínicio tinha o mesmo tom de brincadeira contente e despreocupada, o mesmo tom embora já a virar, porque a amona é uma brincadeira que sempre me angustiou, não é, aquilo do debaixo de água com mãos a impedir-nos de vir à tona... E foi mesmo como sonho de angústia, ‘tás a ver, eles cada vez a saltar mais para cima de mim e eu cada vez a ir mais fundo e a tentar pará-los mas nada, eles continuavam cada vez mais fortes e tão decididos como rancores deslocados e eu cada vez mais sem ar e assustada, mesmo assustada, ‘tás a ver... Calma o quê?!... Não ‘tás a ver?... Claro que...! Merda!...

Aquilo continuou, cada vez mais fortes e agitados eles me amandavam para debaixo de água, para debaixo de água, e eu a debater-me já em total vivência de angústia, toda eu era medo e histeria e a água turvava-se com a agitação, cheia de bolhas de ar e de grãos de areia, e por fim fiquei com a face encostada à areia, e eram os pés deles que me prendiam, os pés e não as mãos, e sabes, não era só pela forma que eu sentia que eram os pés, não, era também pelo odor, ‘tás a ver o delírio, o cheiro a xulé, porque cheirava a xulé debaixo de água e cheirava a xulé até ao agonio...

E depois confusão, ‘tás a ver, como quando fui atirada para a praia depois do velho no espelho, passo daquele sufoco histérico para a areia à beira-mar, deitada como uma náufraga cuspida pela tempestade só que não estou ofegante ou desfeita, nada, como se agitação nenhuma me tivesse violentada, nada, ‘tás a ver, tranquila, e ouço uma voz por trás de mim repetindo: Nos pés, só há caminho e xulé, e percebi porque não ofegava nem tremia, que aquilo me bateu na consciência como um soco no vidro duma janela, eu não ofegava porque não respirava... ‘Tás a ver, o meu peito não arqueava, a minha boca abria-se e nada sorvia... Levei a mão ao coração, ‘tás a ver, e nenhuma pulsação embatia nos meus dedos, eu estava imóvel por dentro, estava imóvel... Peguei num vidro da janela que se quebrara, tinha de me certificar, ‘tás a ver, tinha de ver, de perceber que não percebia... E cortei-me, mesmo aqui nos pulsos, podes ver, dois fundos lanhos em cada um, e vês, nenhum sangue, nenhuma ferida viva, percebes, nem sequer me doeu... E foi então que a segunda janela se estilhaçou, morta, eu estava morta, por todas as seringas do hospital dos capuchos eu percebi que estava morta e ali, estava morta sem ter ido, sem ter desaparecido... Estava ali e morta, fiquei à toa, e vim logo a correr para aqui... Vim logo a correr para aqui... Aqui fiquei e morta, meu amor e meu Deus, aqui fiquei e morta, e levámos tanto tempo a chegar, tanto tempo tenso...

9 Comments:

Blogger Manuel said...

Vi que tinhas um post novo e "Vim logo a correr para aqui..."! E depois desta prosa toda fiquei cansado... Tenho de a digerir...
Abraço

8:09 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Alô, Manel!

Eh eh eh... para quem consegue a extenuante tarefa de postar um nada-dizer, vir aqui culpar-me pelo cansaço... bem, mas o que conta, dizeres ou não dizeres, é o que fica, e como fica, depois de digerido - a maioria das vezes, quase nada ;););)

Abração!

PS: o "a maioria das vezes quase nada" é capaz de ser um exercício de estilo... quero dizer, tenho a impressão que talvez, pelo menos no que me cabe, fica sempre qualquer coisinha...

PS 2: Não estou com cabeça hoje, quero dizer, dormi mal, ou melhor quero dizer, pouco... O que vale é que já é sexta-feira... :)

1:41 da tarde  
Blogger Goldmundo said...

Faz sentido.

7:18 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

O sonho é ver formas invisíveis
Da distância imprecisa,e, com sensíveis
Movimentos da esperança e da vontade,
Buscar na linha fria do horizonte
A árvore, a praia, a flor, a ave, a fonte-
Os beijos merecidos da Verdade.

Fernando Pessoa

Ana

7:35 da tarde  
Blogger Lord of Erewhon said...

Andas muito V. Ferreira-existencialista-velhote-com-a-cabeça-a-abarrotar-de-merdas-frente-a-um-espelho! Gosto mais da versão do HH... mete-se Bach a tocar e chama-se uma puta adolescente!

2:17 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Mestre Gold.

Cherche la recherche ;)

Abraço.

12:58 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Cara Ana.

Onde está Deus, mesmo que não exista?

(Do mesmo Pessoa, e ecoando esses versos de horizonte e verdade… :)

Abraço.

12:59 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Cher Monseigneur.

Huuum… percebo mais ou menos a ideia… Curiosamente não gosto do Virgílio (do português, que o romano é outra conversa…) Mas gostaria de focar os passos em dentro e não os passos em volta – porventura disparate, e o único modo de indicar os primeiros é dizer os segundos… (Também gosto mais da versão do HH… )

Escreviver é árduo.

Abraço.

12:59 da tarde  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

1:48 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home