segunda-feira, março 31, 2008

Adeodato

Toda a alegria pulsa e tem, na temporalidade, a sua própria perda.

A sua fugacidade, a nossa.

E aqueles que retêm na própria perda, a presença de si, são os trágicos e transfigurados – bailarinos do tempo cantante.

O seu canto dá-se no rasgar de todas as coisas.

(De todas as alturas em todos os séculos e distâncias, não retenho senão ruínas, e eu mesmo igualmente, perdido no abismo do meu próprio presente. Fugazmente, por vezes com certa raiva, canto o silêncio todo que escuto no fundo do nada, onde só a voz do divino se consegue fazer ecoar.)

Há quem tenha renascido por menos, é caso para dizer. Pois essa retenção esvaziada, é o esplendor das coisas que passam. O excesso de si, que de algum modo comportam, e as faz ser.

(Só aquele que canta na sua própria morte, pode dizer que é a própria vida a dar-lhe voz. O que do fundo e da superfície de si, brota totalmente gratuito e injustificado. O segredo dos dias, e da eternidade que os comporta. E entre esta e aqueles, entre o que há e o excesso de si, é caso e rima para dizer – há uma porta aberta que chama à reabertura.)

Acende a luz acesa, foi dito, e do esquecimento jamais sairá. Acordarás no sono das próprias coisas, foi acrescentado, mas já com muito menos convicção. Entre a esperança e o susto nascem as flores deste canto, entre mãos que agarram e soltam no mesmo estremecimento.

Há um sopro, é certo, mas não te vires que não é nada. Esta seria a voz do demónio: não vale a pena, já passou. Não percas tempo, trata mas é dos teus assuntos. E assim chamar-nos a cair na única e própria perda de tempo: fechar-nos entre as ruínas da memória, e projectos que se escoam no fugaz futuro. Que assuntos temos, que propriamente sejam nossos?

Quase tudo o que é considerado sério, tradições e construções do amanhã – orientado apenas por e em si, é do reino do demoníaco. Já o sabia o evangelista, que chamou mundo a esta alienação de si no tempo, a esta fuga da vida que ressoa no concreto e no imediato, a este discurso que justifica o que há com o que não há.

(Ou inversamente.)

No eco do concreto farei a minha casa, é caso para dizer, e ruínas e projectos por esse silêncio se medirão. Pois assim se dá, entre infindos outros modos – o mítico equívoco de Colombo.

7 Comments:

Anonymous blues said...

Ressurreição? ou como diz em cima da minha cama, "rebirth is the most serious subject of lie"...
Ir lá parar, entre sacrifício e sedução, qual deles o mai real!?!!!

e esta, hein?

5:52 da tarde  
Blogger barb michelen said...

Hello I just entered before I have to leave to the airport, it's been very nice to meet you, if you want here is the site I told you about where I type some stuff and make good money (I work from home): here it is

5:40 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

sobretudo abandono e reflexão activa

a realidade: o que se auto-transgride, como as larvas e as sementes, a índia de colombo

ou: esta é algo que se continua naquela

bjocas, blues

12:08 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

fuck your capital, barb, this is heaven

12:09 da tarde  
Anonymous blues said...

but, colombo foi de barco. A pé só os carangejos!

kissocas

1:53 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

ah, claro, requer tarefar-se

e até os caranguejos se exercitam

1:56 da tarde  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

2:09 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home