segunda-feira, março 03, 2008

Do post anterior

Veio-me parar às mãos uma corrente, que me pedia doze palavras de eleição. Enfim, parecia uma corrente, mas na verdade era um beijo no coração, quero dizer, tal como o telefone traz a voz amada, indiferente ou inimiga, apagando-se a si enquanto veículo ou pretexto, também assim o são estes jogos de net-conexão. E esse beijo era uma flor carnívora a rebentar de ternura. Também, da MC, não se poderia esperar coisa menor. Quanto ao telefone afogueado, qual é a dele? Palavras? Ora merda, ainda por cima doze. Doze é o estuporado número do tempo cíclico, e eu cá se não fosse cristão, até seria budista, mas no movimento da incarnação atravessa-se e habita-se o tempo cíclico fecundando-o e contaminando-o da sua própria superação, que é afinal a sua origem e sentido. Que eu próprio não perceba a pirataria que fiz, onde então as doze palavras? Ora estão aí, tal qual para fora, nunca estiveram ou estarão, talvez um dia, um único dia.

E sopro a corrente para o ar, para que poise nas mãos de:

- à mana sophia, que o amor todo que não há no mundo e o invade, te seja força e alimento, chama e refrigério;

- ao bispo de erewhon, que o anjo da luz te seja protecção e a sua queda elevação tua, nos mistéricos caminhos da máxima luz;

- à senhora gotika, no enfrentamento do terror quotidiano, que a lucidez e a virilidade te abrasem a alma com que vives e contemplas o mundo, na dignidade que este não tem;

- ao si-próprio acrobata, que agora abre portas de barbacã, que a serenidade e gentileza te orientem a inteligência com que caminhas, e que o teu amado seja parte inteira desse caminho;

- à senhora da ínsua, que o silêncio do oceano te doe as palavras com que dás voz aos impossíveis nomes e actos, para tanta beleza e bondade que deflagras quieta, veloz e sabiamente.

Na dita, desdita ou redita de no entretanto aqui passarem, recebei a corrente, que mais do que for, é sobretudo modo de vos agradecer o tanto com que já me iluminaram e alimentaram com os vossos blogues e comentários.

E lembremos agora o Christopher Walken, que uma única vez na vida tentou realizar um filme, não o conseguindo acabar porque, segundo as palavras do próprio, o que lhe parecia conforme à situação a realizar no plateau era: Do whatever you want. E afinal, há coisas bem mais importantes do que acabar filmes, quanto mais não seja e precisamente – não acabá-los.

Deus vos abençoe, caríssimos, como só ele sabe.

11 Comments:

Anonymous blues said...

ora batatas para o bom rebelde, que mesmo as eleições lhe parecem espartilhos! Seriam nomes, então!

12:57 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

se rebeldia há, reside na nhurrice perante a obscuridade do dizer, do dizer seja o que for

onde a separação das palavras?

qualquer palavra engloba todas as outras, assim como a ausência anterior, e a deflagração posterior. e isso, o seu fora, é o interior da palavra.

espartilho ou espertalhuça? bazófia: brinquedo algum escolheu: elegeu o brincar.

e sobre-tudo: saudou uns quantos dizentes.

bjos

3:18 da tarde  
Blogger MC said...

bela volta deste à corrente, mano. :)

Nem outra coisa eu esperava.

beijos carnívoros (gostei desta) aqui te deixo. :)

3:56 da tarde  
Anonymous blues said...

e assobio: há corações que os silencios não dizem! :

7:37 da tarde  
Blogger sophiarui said...

:)

8:45 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

:) :) :)

11:12 da manhã  
Blogger aquilária said...

aqui fica um beijo e, na ínsua, uma resposta.

11:50 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

uma re-posta? ;)

beijo, aquilária

11:01 da manhã  
Blogger /me said...

:) não tinha dado por ela, não. Um abraço, Vitor! :)

4:52 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

:)

abraço grande, /me

1:56 da tarde  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

2:10 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home