segunda-feira, dezembro 24, 2007

Tu

Porque o amor é feito de pétalas e fogo líquido, do mal e do bem no maior e intenso combate.

Porque o amor é feito na estranheza do acordar, na solidão estarrecida que olha o rosto do outro.

Nada levarei comigo, diz, nem a morte na bagagem.

O teu rosto é o sopro que passa e acende, e nesse fogo permanece.

Toco-te, e até o nada se enche de palavras e silêncios, como se tivesse veias.

Não haver um dia em que não te ame, gostaria.