segunda-feira, janeiro 21, 2008

Remissão

Sempre que caio no meu próprio solo e rezo, sou o próprio deus distendendo-se.

Avançasse assim, de olhos abertos e mãos em riste, cavaleiro seria.

Nada sou, mas entre mim e o ar, nada há. Cavaleiro fosse no gume afiado, no cálice sóbrio. O rosto que se toca, nunca mais se esquece.

3 Comments:

Anonymous Luiz Henrique Matos said...

Caro Vitor,

E não é justamente nessas horas, de solidão, silêncio e remissão, que experimentamos a companhia, a troca e a vitória dada por aquele que nos vê, face a face?

Abraços,
Luiz Henrique Matos

www.missaovirtual.wordpress.com

5:12 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Sim.

Onde há rosto não há solidão, isto é, não há fechamento; e o sol a refulgir na gota de água, o sussurro do vento no silêncio, a rosa a florir na manhã, são como que o dizer do abismo, a palavra impronunciável que nos sustém.

Um abraço, caro Luiz.

11:28 da manhã  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

2:08 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home