segunda-feira, junho 26, 2006

Sacrum facere

A humildade da incarnação, que se mostra de imediato no nascimento no estábulo – é pura verdade vital. Não se trata de nascer no desfalecimento da vida. Esta pequenez, é a força real da vida.

É por essência, e não por condicionamento e frustração, que Deus é humilde. Trata-se duma das dinâmicas do amor divino: dar-se até ao fim. Assim é a relação interna da trindade divina, e daí o transbordo para a criação. Deus não se retém: é doação pura, até ao aniquilamento. E esse aniquilamento é vida em abundância, é fundamento e fonte, é o minúsculo indício que em tudo o que há o faz precisamente – haver.

A verdade da existência mostra-se no despojamento e nudez, e não nos aparatos de grandeza. É nesse sentido que o seu reino não é deste mundo, e como poderia sê-lo? As potências do mundo são separação, máscara e ilusão – quando tomadas como verdade fundamental. É no útero da vida e no leito da morte que se configura a existência.

A doação irrestrita não faz contas, e assim o amor cobre a multitude dos pecados, liberta de imediato qualquer um, seja qual for o tamanho da sua desorientação. Só conta até um – total e absolutamente um. Duma vez e de imediato. Sempre e em toda a parte.

A trindade divina não é Zeus irado na sua grandeza, à espera que as dores e as lágrimas lhe satisfaçam uma justiça quantitativa, distributiva. Faz suas as dores e lágrimas, e os risos e as esperanças, numa unidade que os extremos reúne. E nunca desespera, porque nada espera e tudo entrega.

Não se trata mesmo de pagar a conta na mercearia divina. Deus não é um cobrador de impostos, e a sua aliança não é um contrato de interesses próprios e fechados.

Um criador de talião, eis a inversão natural do amor sobrenatural, que sendo pura e absoluta dádiva, exige na sua comunhão – que sejamos também pura dádiva. Ou se preferirmos, a demonização contratualista e contabilística – é a resistência espontânea à inversão de valores que o cristianismo veio deflagrar.

Este é o sacrifício – de si próprio, em dádiva e doação. Só a pura dádiva faz sagrado. Porque só a pura dádiva tudo recebe – precisamente no mesmo movimento em que tudo dá.

Todo de mim a ti te entrego, e em ti te recebo. De outro modo, está-se na fantasmagoria, na fantasia de ti que se constitui na distância de mim. Ou doutro modo: na idolatria, na representação contemplada que não se vive e mata. A amada na torre, é a morte do amado, e o dragão - é o rosto dessa morte.

E todo o resto, por muito barulho e resplendor, por muito fulgor e adoração, por muita palavra e convicção, na verdade – não passa de medo e solidão.

21 Comments:

Anonymous blues said...

manter-se á distancia mantendo-se em mente a origem da representação, esta originada pelo medo e solidão, logo odeia-se ou despreza-se (tem-se medo de incluir) o que se mantém á distancia, mas por solidão representa-se. ´não é mal visto, é tristonho, mas não é mal visto....

1:09 da tarde  
Blogger Klatuu o embuçado said...

Não vejo humildade... vejo desespero... aquele sempre igual... o dos perseguidos e dos proscritos... o dos despojados de tudo, no fundo.

1:17 da manhã  
Blogger Clarissa said...

Sim... medo e solidão.
Um texto bem escrito merece ser alinhado.
Beijocas e uma boa semana.

5:40 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Olá, Blues.

Da tristonha tomada de consciência segue-se... uma alegria que não fosse ilusão, isso é que... ;)

Abraço.

2:29 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Alô, man with the hammer.

1. O infinito não é uma grandeza.
2. O desespero directo não é compatível com o despreendimento. O despojado forçado, não se despoja – não há nele nudez revelada e reveladora, mas tão só disfarce revoltado. O despojo ascético é interior, trata-se duma reviravolta na vontade (à Diógenes :P)
3. A proscrição aqui em jogo, a acontecer, é um segundo momento, ou consequência social relativa à forma de vida assumida. Se for o primeiro momento (esta anterioridade não é cronológica mas da ordem estrutural da dinâmica, do sentido) temos o famoso homem (ou mulher ;) do ressentimento, como bem viu o cabeça de martelo (este, dê-se-lhe a mão à palmatória, é indecapitável :) Ou parafraseando um seu amigo: um é rejeitado pela sociedade, e sofre com isso, revolta-se; o outro, rejeitou as estruturas sociais enquanto dinâmicas fundadoras de si próprio, e relaciona-se com elas a partir da sua subjectividade criativa. A distinção entre ambos é psicologicamente árdua, mas de rigor. Entre a renúncia e a frustração, não pode haver equívoco.
4. A renúncia não está nas coisas, mas na relação com estas. Não se trata de usá-las ou não usá-las. É anterior à prática, é precisamente – o seu sentido, a orientação do sujeito.
5. Deus está nas coisas dando-as, doando-lhes ser – isto é, retirando-Se.
6. Sabe-se lá… estamos no cá. Arrisque-se este no lance, suprindo as distâncias.

Abraço.

2:38 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Cara Clarissa.

Textos desalinham-nos e realinham-nos... Um texto que não nos devolva olhar e leitura, que não nos leia e desvende ou reinvente... pffff ;) A literatura ou é vida ou não é nada (como tudo, aliás).

Beijos.

2:41 da tarde  
Blogger Klatuu o embuçado said...

Cada vez que entro aqui... até me assusto: penso que já fui condenado ao Céu! JAJAJAJA!!!

«A verdade da existência mostra-se no despojamento e nudez, e não nos aparatos de grandeza.»

Concordo... mas depende muito do tamanho... :)=

P. P. S. Ele tem de confessar uma maldade... :)= ... Fui aos blogs dos senhores Padres teus amigos... e dei-lhes conselhos de Teologia! JAJAJAJAJA!!!

Abraço!

5:33 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Amigos?... Huuuum… E isso deu algum diálogo teológico frutuoso?...

12:14 da tarde  
Blogger Caio Kaiel said...

Olá Vítor, grande mensagem...Renúncia não é Negação, é Opção.

Teu texto me faz pensar que as opções que tenho na vida, quando fogem da minha doação incondicional, estão longe de Deus.

3:51 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Alô, Pescador!

Precisamente.

O crivo de toda a opção tenda a ser – o olhar revelador de Deus. Deposite-se a vida na Sua vida, acordada e decididamente – e esta se renovará ;)

Abraço.

12:02 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

As saudades que eu já tinha
da minha alegre casinha
tão modesta quanto eu.

Meu deus como é bom morar
no rés do primeiro andar
a porta a abrir-se-me

no céu

12:03 da tarde  
Blogger Caio Kaiel said...

é... O olhar revelador de Deus - coisa de Pai, que não pede e nem precisa pedir - dá para ver nos olhos dEle o que Ele quer.

Obrigado!

2:03 da tarde  
Anonymous O Outro said...

o ceu, o ceu, a eterna cenoura divina.

penso no ceu a cada descarga de adrenalina e ele chega-se e chega-me. por falta de tomates para me revoltar, ignoro o patriarcado familista da pátria, e daí?

hoje estou disposto a morrer em estado de vergonha e menoridade.

revolta, que palavra tão pouco em uso.

doravante o ceu, a humildade da incarnação. Quero ser e não me deixarei a para caixote do lixo das almas (o inferno do outro?).

3:29 da tarde  
Blogger A Capela said...

"5. Deus está nas coisas dando-as, doando-lhes ser – isto é, retirando-Se." mas ficando, que pode mais que bilocação, sim? Dando-as e dando-Se nelas..

Bjinho*

1:52 da manhã  
Blogger paulo,sj said...

Quando se vive a banalização da vida, temos medo de dar... Um Dar que muitas vezes passa por uma morte do nosso amor, querer e interesse, para que o outro seja... Sacro Facere... Tornar sagrado o nosso gesto, perdendo, para encontrar! Mesmo que não seja imediatamente visível!

Obrigado Vitor! :)

11:48 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Caro Outro.

O inferno de si próprio. Será a cenoura divina?... Ou eu que sem horizonte não me oriento?... Até o isto escrever tem o seu sentido projectivo – o outro, amanhã, talvez.

E tanta coisa de mim e da vida que me revolta, tanta raiva que me habita.

Não sei se há caixote do lixo das almas; sei que a vida se configura nas decisões de sentido. Penso. E voltamos à cenoura. Anda, burro ;)

Ignorar o patriarcado machista é urgente.

Obrigado, abraço.

11:17 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

Querida Malu.

Omnipresença sim, na doação de presença.

Bjoca.

11:20 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

Caro Paulo.

Que tu sejas ;)

Um abraço.

11:20 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

I have been looking for sites like this for a long time. Thank you! russian teen lesbian pop group online craps Audi new s8 Oral sex fixation Brazilian portuguese ass Voyeur dorm videos Cheap maternity formal dresses Video hilton paris http://www.depressionantidepressantdrugp.info/mildantidepressant.html La milf Kithenaid dishwashers prices Ringtone deals Lisa luna and model Nude teen search engine Baccarat lyric online ashley amateur Tamiflu picture online payment Webcam ge easycam driver abusing antidepressants teens

7:09 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Where did you find it? Interesting read here

12:01 da manhã  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

1:52 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home