quinta-feira, outubro 20, 2005

Ponto 2

Há Deus.

9 Comments:

Blogger Paula said...

E nada pode mudar isso!

10:50 da manhã  
Anonymous Help said...

Nos séculos XVIII e XIX não havia. Ou seja, mataram-no; os filósofos, aqueles que vão sempre à frente no seu tempo, deram-no como morto!
É por esta constatação que eu tenho alguma relutância em me pôr de acordo com algumas mentes progressistas hodiernas que, me parece mais para satisfação da própria vaidade (aviso que não o incluo a si), passam o tempo a torcer e distorcer as Verdades Evangélicas.
Opiniões há muitas, tantas quantos os indivíduos, segundo os gostos, as culturas, as modas, as inclinações; a Verdade é imutável e imperecível.
Que é feito do Goldmundo?

11:40 da manhã  
Blogger jorge said...

deve haver...

2:08 da tarde  
Blogger jorge said...

ah porra!: ABRAÇO!

2:08 da tarde  
Blogger JOINCANTO said...

Há Há.

12:30 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Cara Paula.

E isso… tudo pode mudar!

Um abraço.

Cara Help.

A constatação da morte de Deus como horizonte configurativo da existência, no sentido em que passou a ser um elemento decorativo da nossa estética e da nossa ética, sem produzir valores que nos guiem para além das participações nas actividades públicas da Igreja enquanto instituição, assim como da defesa da sua representação pública e política – e tudo isto sem realmente deflagrar no nosso quotidiano e na nossa intimidade, sem nenhuma tentativa de renascermos existencialmente – é uma análise que nos deve interpelar. Por outro lado, muito da idolatria “cristã” veio à luz com a rapaziada “anti-Deus” ou anti-clericais. Para simplificar, o “advogado do diabo” pode ter um efeito purificador.

Seja como for, eu penssinto que muitas vezes é a minha vaidade que orienta estes meus blogue-dizeres.

Quanto aos hodiernos, eu penso que o cristianismo é sempre moderno e simultaneamente tradicional, deve sê-lo por princípio ou então o Moço não estaria connosco até ao fim dos séculos e a sua fonte originária não seria a alfa e o ómega, o início e o coroar de todas as coisas. Ninguém sabe é muito bem como, e isso devido à verdade imutável e imperecível não nos ser acedida dessa forma, mas por assim dizer, aos bocados, por momentos, sempre relativa às situações concretas da temporalidade.

Mas isto faz-me pensar numa coisa que anda por aí e me confunde um pouco: uma certa tendência para anular a noção de pecado original. Ora, esta, eu não compreendo de todo, porque sem constituição do meu ser enquanto pecador, não preciso da graça para nada, e Cristo torna-se uma espécie de companheiro de vida e nunca…. Enfim…. Se eu posso configurar-me cristologicamente a partir de mim mesmo, tal discipulado da razão e do coração naturais, não preciso de renascer – ou seja, não preciso de Deus para nada, e Cristo passa a ser uma figura compreensível que eu tenho de estudar e seguir, tal filósofo totalmente humano que me pode dar uma doutrina de sentido mas não evidentemente a Si próprio enquanto fazedor ou mediador para algo que escapa total e absolutamente às minhas possibilidades. Mas esta tentativa de anulação da incompreensível (há que dizê-lo, e ao mesmo tempo manter a sua existência como certa) noção de pecado original, não é apenas algo de moderno, de hodierno, já Stº Agostinho se pegou com Pelágio acerca disso e S. Paulo era um ver se te avias… E é sempre assim no cristianismo… Hoje como ontem e amanhã.

O seu comentário é um (re)apelo à vigília para não se cair nas redes do mundo e do imediatismo – coisa que todos os tempos tendem precisamente a querer anular. A voz da eternidade não “cabe” em nenhum tempo histórico, mas todo o tempo histórico se dá como inteira e verdadeiramente esclarecido e juiz dos anteriores. É por isso que se chama hoje em dia “idade das trevas” à esplendorosa idade média – e não quero com isto dizer que os nossos tempos não têm o seu esplendor, mas que a sombra que pretendem fazer aos anteriores é tão só… o mesmo do mesmo, o que as disversas “fases” da Idade Média fizeram com a antiguidade, que a idade moderna e contemporânea faz com a Idade Média e, de modo muito mais complexo do que aqui dito, por aí fora e dentro…

Pronto, desculpe lá, há comentários que, muito provavelmente aliando-se à minha vaidade discursiva, tocam em pontos nevrálgicos que me “soltam” a palavra. E já agora, também sinto “saudades” do Goldmundo…

Um grande abraço.

Ei, Jorge!

Ou então… nada… mas deve mesmo… porque dá ideia… que algo há…. E lembro-me agora do nosso amigo Brandas, o Raúl… Chafurdando no húmus mais profundo… Apelando no escuro… ou então… ou então…

Abraço!

Caro Jo.

Sim sim!

Abraço abraço.

1:16 da tarde  
Blogger HuperNikon said...

há!

6:31 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Caro Hupernikon.

Sim! Sim! Sim!

Um abraço.

7:11 da tarde  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

1:41 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home