quinta-feira, setembro 29, 2005

Impressão idiota

É curioso como a única referência vivida que temos da eternidade reside no acto de poisar no momento. É assim uma impressão vazia de representações. Algo se imprime em nós sem que saibamos bem o que chamar-lhe, como identificar a impressão. Não sabemos se é uma sensação ou uma disposição, uma intuição qualquer, uma ideia sentida, ressentida, seja o que fôr. Parecido com estar simplesmente ali, poisado no ser. Assim. Liberto do passado, do futuro, de toda e qualquer amarra ou retenção por assim dizer tal como nenhuma projecção, nenhum movimento de vontade. A parede, a mesa, o cigarro fumegante no cinzeiro, a cortina move-se com o vento, a luz entrando pela janela, tu olhas para mim e sorris, ali, simplesmente ali e eis tudo. Como quem realmente existe. Como que realmente real. Há uma plenitude qualquer que se estende pelo momento infinitizando-o, o preenchimento de tudo no tempo e no espaço transbordando-os. Sabemos ser um disparate, o pensamento diz que o momento é precisamente o que por definição escapa, só o detemos sob forma de retenção mental, isto é, de "desrealidade". E no entanto esse eco. A sua contradição. Uma impressão de ser, simplesmente, no passado, no futuro, agora, ser sempre ter sido e será sendo. E sabemos também que uns velhos do deserto diziam que esse simplesmente ser sempre era uma unidade, uma substância, uma consciência - e que fala, precisamente através dos momentos, que a realidade é o seu alfabeto e a sua gramática, a sua linguagem. Que é algo a que nos podemos dirigir. Mover-nos para. Pretendiam assim que a vida pudesse ser lida, escutada, interpretada - dialogalmente. Que o que preside a ela é algo que se pode escutar nela, e falar-lhe, em silêncio e balbucio. A vida é. E comunica-se a si própria. Um sentido, é um caminho. Eram um pouco doidos, realmente, estes velhos hebreus, e no entanto... Às vezes nem consigo perceber como é possível termos produzido a ideia de Deus. De tão doida que é. Esse é o fundamento da noção de revelação, de algo que se desvela "fora de nós". Humano algum poderia ter tido ideia tão estapafúrdia. É tudo um pouco idiota isto tudo, assim um pouco à Dostoiewski, mais simples e directo que o nó de Alexandre. Eu, como sou daquelas criaturas que a arte cativa, tenho por vezes ideia que certas expressões artísticas indicam essa impressão, certas cenas dos filmes de Tarkowski, certos quadros de Turner, certos trechos de Arvo Part, certos poemas de Ruy Belo... Mas suspeito que isso apenas acontece por remissão para o momento vivido de nós-próprios, vazios e eternos. A arte não contém essa impressão. Está totalmente em nós. Enfim... tanta conversa para nada. Para esconder um puro balbucio, algo de que não se faça a mínima ideia do que possa ser, e que no entanto está ali, intensamente interpelante, mas muito sereno, rumorejante - silencioso. Tão sereno - tão fácil de esquecer. Tão fugidio - e no entanto sempre lá. Assim. Sem explicação alguma. Uma pessoa até se sente desconfortável a falar disso, tão tão fora de casa, tão tão tão pouco - natural. E não percebemos lá muito bem se essa impressão se impõe por si, ou se é produzida pela narração do avô hebreu, como se fosse possível falar de modo não a falar acerca da realidade, não referindo-se a ela, mas sim revelando-a, dando-lhe directamente sentido - abrindo-a. Uma fala sagrada, é essa a ideia.
(...)
Sabemos que lhe chamamos Deus. E à doidice de a isso aderir, de decidir dar-lhe valor de verdade, um eixo de orientação para a existência, para o seu sentido - chamamos pois: o chamamento da fé. O ínicio. Uma pura cegueira que tudo ilumina.

15 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Net threatens used book stores
An industry trade group reported Thursday that two-thirds of the market for general-interest used books belongs to online sellers.
Find out how you can buy and sell anything, like things related to music on interest free credit and pay back whenever you want! Exchange FREE ads on any topic, like music!

9:07 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Marketers Slow To Embrace Optimization, Say Search Experts
Sep 29, 6:00 AM Too many marketers place a lower priority on search engine optimization than pay-per-click campaigns, said search... Blog Champions: High Click-Throughs Offset Low Reach Sep 29, 6:00 AM Despite ...
Find out how to buy and sell anything, like things related to music on interest free credit and pay back whenever you want! Exchange FREE ads on any topic, like music!

9:07 da tarde  
Blogger MC said...

doidice...eu quero essa loucura!
Está bonito, Vítor.

11:38 da manhã  
Blogger Ismael said...

linká-lo-ei, eu também.

12:41 da manhã  
Blogger jorge said...

acho que era o sade que dizia que deus era a única ideia que não podia perdoar ao homem... percebe-se.
belo texto,
um abraço.

3:02 da tarde  
Blogger Filipe Spinner said...

Obrigado pela visita e pelo link ao ALI AO LADO. A nossa lista de links está tb para ser actualizada e assim que isto acontecer, teremos lá o link a este blog. Bem vindo sempre Vitor. Muitas bençãos.
Filipe

11:26 da manhã  
Blogger Marco said...

Vitor,
O fundo azul do teu blog faz mal à vista.
:-\

9:51 da manhã  
Anonymous Vítor Mácula said...

Cara MC.

Que viva e cresça esse querer! Que mais do que um saber é um anseio amoroso que move e orienta!
Um abraço.

Caros Ismael e Filipe Spinner.

Obrigado e bem-vindos e abraços e muitas bençãos e etc e etc.

Ei, Jorge!

Isso seria conversa de três milhas. Sade tinha uma concepção mecanicista do universo, em que tudo seria regido pela necessidade natural. A noção de liberdade, de escolha, livre-arbítrio e por aí fora, era, para o seu ponto de vista, uma ilusão e um erro "anti-natureza". A noção de um ser sumamente livre em que se fundasse a liberdade (e portanto a possibilidade de moral e contraponto ao constrangimento da natureza) seria assim a suma mentira e doença (anti-natureza). E isto é apenas um dos parcos e parcamente focado aspectos da questão.
Enfim...
Um abraço.

Caro Marco.

Não percebi muito bem. "Biologicamente" não me parece fazer "mal à vista". Já disse algures que lhe faltava um pouco de verde, mas não por questão de agressão à vista. Faz-te "fisicamente" mal à vista?... Seja como fôr, aceito sugestões.
Um abraço.

5:28 da tarde  
Blogger Thinky_girl said...

é com prazer que não me importo que me linke!Farei o mesmo consigo.Espero que não se importe... Peço-lhe é para me tratar por "tu", ainda sou jovem de mais para que me tratem por "você", mas obrigada na mesma!
Cumprimentos, Thinky_girl

11:44 da tarde  
Blogger Marco said...

Vitor,
Eu apenas sinto que a leitura se torna mais cansativa devido ao contraste entre as letras a preto e o fundo com um azul vivo.
Se calhar, tou mal habituado... :-)
Um abraço.

10:23 da manhã  
Blogger Paula said...

Olá Vitor, é a primeira vez que visito o teu blog e gostei. Vou cá voltar mais vezes!

2:25 da tarde  
Anonymous Vítor Mácula said...

Alô, Paula!

Bem-vinda, e um abraço!

2:28 da tarde  
Blogger Luz Dourada said...

Oy Vitor,
Cheguei, li e amei o teu blog!
É uma mais valia nesta nossa blogosfera!
Beijinho,

9:56 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

Cara Luz Dourada.

Alô, bem vinda, obrigado, e um abraço!

12:05 da tarde  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

1:40 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home