segunda-feira, outubro 26, 2009

O vento lá fora

Apenas morremos, diz o monge, porque amamos a morte, desejamo-la estonteadamente. É um segredo, claro, ocultamo-lo em voracidades e vitórias que se querem vivas e mordazes, mas é o próprio sabor do nada que as invade e as é, na medida em que se escoam, como tudo, ressoando nos poços sem fundo da memória. Sabemos da vertigem, da imensa tontura perante o vazio, da atracção. To sleep, to die, no more. Morremos no nosso desejo de repouso, de finalmente escoarmos e ir, desaparecermos, entrar no fim do outono sem fim, a última folha caída como a pálpebra na morte. O amor por tudo o que já foi e passou atira-nos de encontro ao desaparecimento, que desejamos então como um sonho imperscrutável. E assim morremos, em anseio próprio e decisão, pura paixão vital. Somos filhos do nada, e a seus modos são os nossos frutos, as nossas obras e saberes. Desejamos ir ter com os entes queridos que já foram, com a criança triste e alegre que nós próprios fomos. Desejamos reter sem deter este momento que mesmo agora passou. Do próprio futuro somos já saudade, disse o poeta. E só o criador, aquele que sustém presentes e concretos todos os tempos da vida, aquele que há no ser e igualmente se mantém havendo no nada, pode aí dar uma palavra. (Dá um gole no chá.) Pois, alguns de nós entregam-se à escuta directa dessa palavra de Deus que se dá para lá do tempo e da vida, para lá do ser e do nada, para lá de tudo. O puro e único deus que tudo cria e mantém, que cria o tempo e o espaço e todas as coisas vivas e mortas. Aqui, tentamos esvaziar-nos de todas as coisas internas e externas que sejam nossas, e poisar na eternidade onde Deus tudo retém sem deter, no em si do deus vivo. Tento fazê-lo neste preciso momento em que falo consigo, é essa a ideia. (Ri-se.) Poisar no tempo até ao fundo boiando na eternidade, frisa sorrindo, em qualquer tempo, no de lavar a louça até ao da mais fogosa paixão. Descascar uma cebola até Deus, disse o mesmo poeta, nem mais. Dê-me aí um cigarro. (Estendo-lhe o maço e o isqueiro.) Obrigado. Bem, e que tal irmos jantar ao ar livre, junto ao rio? Está uma noite magnífica.

3 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Olá Victor. Tenho acompanhado o seu blog faz muito tempo, mas nunca tinha tido coragem de escrever algo sobre o que você escreve. E se você escreve bem! Há no entanto algo que me intriga bastante. O Victor anula a possibilidade da política nos seus textos. A sua postura, tal como em todo o fanático religioso, anula a possibilidade do espaço público, pois toda a decisão é irrevogavelmente individual e privada. Agostinho já o tinha afirmado. Creio que desse modo se atira borda fora a água, o bêbê e a banheira. Não posso concordar consigo. Boas escritas.

12:53 da manhã  
Blogger Vítor Mácula said...

Olá,anónimo.

1.Confundir o espaço íntimo com o espaço público é a lógica da desvitalização e despersonalização; no entanto, nada deste blog é íntimo nem privado, e se o fosse, caíria sob o eixo do equívoco anterior; o íntimo estará aqui como os passos estão nas pegadas; mas muitas destas são apagadas pelo tempo, pela distância e pela vontade.
2.O debate inócuo, nos modos em que nos instigam as forças partidárias do governo, do parlamento, da comunicação social, etc, configurando-nos as temáticas, conteúdos e modos de pensar a política, constitui uma tecnologia de desactivação de toda a crítica concreta e de toda a consciência histórica, pessoal e colectiva; por mais que os bobos da corte cantem cantigas de escárnio e maldizer, adormecem sempre com o sangue da sua própria frustração e ressentimento.
3.Uma construção autêntica de si, só poderia estabelecer-se e mostrar o seu rosto socialmente institucional num mundo revolucionado; doutro modo, isto é, por exemplo que nos tolhe, sob a forma da sociedade mercantilista, ela prossegue, mantém-se e resiste sob a forma negativa de recalcamento ou revolta, ou executando-se em ilhas e caves da sociabilidade geral, com maior ou menos lucidez, com mais ou menos força e vigor; ilhas e caves que, naturalmente e por definição, nunca serão publicitadas no ecrã de qualquer sistema político ou publicista.
4.No eventual caso de impossibilidade congénita da sociabilidade manter a revolução como seu esteio central, esta deverá sempre ser-vida, deverá sempre ser-vir, e manter-se-á sob diversas formas de negatividade positiva em certos momentos históricos, certas obras individuais ou colectivas, espalhando e espelhando os seus clarões e actos de concreção viva, para que não seja nunca dada a última palavra e estado de coisas ao soçobro do humano.
5.Todo o acto vital e próprio é uma obra de resistência política.

Saudações, e boas políticas

10:16 da tarde  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

2:32 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home