segunda-feira, novembro 23, 2009

Habitação 3


para a Ana
aos amigos



Viver com os outros é uma escola do caraças. Falo de viver com, em dinâmicas de amor, filiações, amizade, o que fôr. Habitamos o mesmo lugar. É-se forçado, de uma maneira ou de outra, num momento ou noutro, a confrontar-se com o olhar do outro. Como ele se mostra, e nos mostra. Diz-nos muitas vezes coisas que não gostamos, ou em que não nos reconhecemos; faz-nos também considerar como nos vemos a nós próprios, em que o que não gostamos pode ser tanto mesmo assim, pode ser tanto o que afinal somos e agimos; e por outro lado, conhecer-se é também descobrir-se e fazer-se no embate à vida, nas nossas imprevisíveis reacções. Coabitar é navegar com, reunir fraquezas e desgostos, forças e esperanças. Sofremos em proporção também, claro, assim como a alegria: não há alegria mais funda do que a alegria do outro que nos invade, que se nos dá. Descobrimos aliás que é a unica alegria; e que uma alegria solitária, não partilhável nem mútua, é um sarcasmo disfarçado, uma espécie de mágoa existencial. (Notemos de passagem que sem o outro, Robinson está quinado.) Há também essa questão da morte, claro, e diz-se nos casamentos: “até que a morte nos separe”. Trata-se dum estertor de bom senso, toda a gente sabe que a morte é mais forte que tudo; mas pulsa no coração dos humanos uma mais tresvariada e transbordante notícia, e nesse sentido se invoca Deus; invocação que se anuncia no olhar mútuo com o outro, e com os outros; digamos que os amigos e amados que se convida não estão lá como assistência, são também riso e lágrimas do mesmo mistério, sangue e carne da mesma vida, dos dias que passam como um trilho no abismo e nós. Alguns vão trair, outros nós próprios traíremos; e outros as mãos conjuntas dançaremos; e aqui mesmo partilhamos esta coisa de estar vivos e acordados e a imensidão à nossa volta e por dentro. Na verdade, não se percebe bem o que nos liga e entranha, mas qualquer amor ou amizade que não se sonhe mais forte que a morte, não passa de vã pacotilha, de uma mera mercadoria, nada tem que ver com nada de autenticamente humano. Amar é dizer: quando estiveres a morrer, estarei lá contigo. Não te deixarei morrer sozinho, dar-te-ei a mão, o olhar, o corpo inteiro; é dizer: Não te deixarei morrer sem mais, vamos juntos até ao fim; dizer tão frágil, dizer que sabe que o rio do tempo se escoa, e que qualquer nada nos poderá separar, ferir para sempre; e que o fim é também e sempre um acto solitário, que se vive e morre sempre sozinho – ou com Deus, para dizê-lo de outro modo.

Assim é na casa, onde cuidamos e guardamos as nossas paixões, e as perdemos, sem jamais abandoná-las.

8 Comments:

Blogger BLUESMILE said...

Que texto maravilhoso!

2:49 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

maravilhar-se é preciso :)

12:16 da tarde  
Blogger BLUESMILE said...

Este comentário foi removido pelo autor.

6:46 da tarde  
Blogger BLUESMILE said...

Uma amiga pediu-me para a ajudar a escrever "uma mensagem " na lápide da mãe.
Escusado será dizer que a mãe da minha amiga é também um pouco minha mãe e que andava por aqui aos tropeções na angústia e na escrita até ler este texto.

6:47 da tarde  
Blogger MC said...

uma imagem de ti, e da vida, muito viva que aqui nos dás.

deu-me bastante gozo ler.

beijo, mano

8:26 da tarde  
Blogger www.angeloochoa.net said...

LER-TE É PRECISO, aLEXANDRE!

Fecha-se o livro, solta-se louvor:
Cheio é o Orbe das Tuas maravilhas,
Santo, Imenso e Bom Senhor.
Criaturas aladas, levai meu ai.
Névoas, neblinas, regatos, ribeiras,
anjos, e meninos, bendizei.
Mártires d’amor, cantai.
Poetas, aedos, bailarins expressem
minuciosas belezas inumeráveis.
Seja desmesuradamente prolongado
o saltério aOs Celestes Prodígios.
Arquitectos, artistas, dramaturgos, cinéfilos,
informáticos, jornalistas Te proclamem.
Urzes, giestas, estevas, tílias, margaridas, lilases,
fremi a única alegria.
Aragens, brisas, fogueiras anunciem O Pleno.
Relâmpagos, raios, tempestades, gritai.
Répteis, peixes, batráquios, fugitivos animais, louvai.
Luz matinal, aclama O Que Em Ti.
Pedras, terras, orlas, explodi um canto novo.
Flores, verduras e florestas, mares e nuvens, esplendei.
Luzeiros, astros, sóis, estrelas, clareiras e galáxias, ecoai.
Abscôndito, em Teu Nome houvemos força.
Onde haja torpor nos fira incólume Teu sorriso.
A que resulte, para o peregrino, renascido amor.
A que não esqueça Lázaro:
Tenha abertas as portas da choupana.
Filho de David, reencontra as reses desgarradas.
Traz a teu redil quantos Te magoam.
Teu entranhado Enlevo seja comum bênção.
Como algodão hidrófilo, Teu jugo;
pacientíssima, até aos fins,
Tua expectativa quanto a cada um.
Entreguemos na raiz da Cruz tribulações:
Provê, a todos, o melhor bem:
A rodos derrames consolação.
P’los agradabilíssimos Átrios,
Te elevemos diferente Louvor.
Bebamos Vaso Pleno.
AjudasTe-nos quando o Egipto sofremos;
saciasTe-nos com A Terra Prometida.
EndireitasTe-nos os molestos ossos;
guardasTe-nos
nO Coração
mais Coração
dO Coração.
-
Amiga, que mais pedir?
Olhes teus filhos desviados.
Amem eles verdadeiramente a paz,
e o céu a trará na cor inexplicável.
Também Através da Poesia se Constrói a Paz

5:50 da tarde  
Blogger Vítor Mácula said...

um desmesurado ámen, caro Ângelo

abraço

5:18 da manhã  
Blogger freefun0616 said...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

2:33 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home